Måned: september 2006

A Trajetória de Uma Permissão

A Trajetória de Uma Permissão

Olá!

Finalmente posso respirar aliviada. Já está em minhas mãos um documento do consulado e outro da UDI dizendo que eu tenho uma permissão de residência e trabalho. Até sexta-feira à noite eu ainda esperava por ele. Mas, sejamos organizados, vou contar resumidamente tudo o que aconteceu desde março até agora, cronologicamente:

23 de março de 2006 – Telefonei para o Consulado da Noruega em São Paulo e recebi um e-mail explicando tudo sobre o visto de noivado. Recebi também a informação de que o visto sairia em 3 semanas. Morten e eu resolvemos optar por este tipo de visto. Começamos a providenciar os documentos, ele lá na Noruega e eu aqui em Sampa.

24 de abril de 2006 – Entreguei ao tradutor juramentado minha certidão de nascimento e de casamento com averbação do divórcio para serem traduzidas.

4 de maio de 2006 – As traduções ficaram prontas e eu fui buscá-las. Adorei conhecer o senhor Francis Aubert. Quase que levo junto com as minhas traduções, no envelope, traduções de outra pessoa, haha.

8 de maio de 2006 – Recebi uma carta do Morten contendo toda a documentação dele. Comprovante de residência, de estado civil, imposto de renda, contrato de trabalho, etc.

9 de maio de 2006 – Chega o dia de ir ao Consulado. Papai e eu vamos de carro, nos perdemos nas ruas do Morumbi, mas conseguimos chegar. Entreguei toda a documentação e preenchi o formulário de requerimento de visto da UDI (nunca vou me esquecer de que escrevi o nome do meu namorado no campo Razão de sua viagem, mas pelo jeito eles aceitaram). Após tudo ser checado duas vezes, a secretária falou que precisava da cópia de todas as folhas do passaporte e eu levara apenas as páginas com minha identificação. Já estava achando que teria que mandar as outras cópias pelo correio no dia seguinte mas, felizmente, a secretária ligou para o Consulado do Rio e a funcionária de lá falou que não precisaria de todas as cópias, já que meu passaporte é novo e sem nenhum carimbo. Noto que o prazo de recebimento muda de repente:
«Vai demorar de 3 semanas a 3 meses.»

12 de maio de 2006 – Recebi um telefonema da secretária do consulado daqui de São Paulo pedindo as cópias autenticadas de minhas certidões de nascimento e casamento em português. Eu tinha levado as cópias dia 9 e ela havia dito que não precisaria. Que remédio, tive que mandar as cópias autenticadas por sedex para o Rio.

16 de maio de 2006 – Recebo um novo telefonema da secretária do consulado, desta vez pedindo o telefone do Morten para anexar ao formulário. Ele me prometeu que a papelada estaria seguindo para a Noruega naquele mesmo dia.

22 de maio de 2006 – Meu requerimento é registrado na UDI.

12 de junho de 2006 – Morten telefona para a UDI e pergunta sobre o andamento do processo. Dizem a ele que o requerimento está prestes a ser enviado à polícia e que ele deve ligar em duas semanas para saber mais informações. Ou seja, o prazo de três semanas começa a cair por terra…

11 de julho de 2006 – Morten vai até a polícia da ilha e pergunta sobre meu requerimento. Dizem a ele que ele já está lá e que, devido á escassez de funcionários, que estão em férias, a entrevista dele ainda não fora marcada. Mas que ele deve aguardar e reunir toda a documentação que ele me enviou, pois terá que apresentá-la novamente durante a entrevista.

25 de julho de 2006 – Dia da entrevista. Nada de inesperado foi perguntado e a documentação estava correta. Mas infelizmente, Morten ficou sabendo que somente depois que a entrevista foi feita a UDI iria analisar o caso a fim de conceder ou não a permissão. Tristeza e sensação de que fomos ligeiramente mal-informados. Só nos resta esperar.

28 de julho de 2006 – Morten escreveu um e-mail para a UDI perguntando se eu não poderia visitar a Noruega como turista enquanto minha permissão não sai.

1 de agosto de 2006 – Ele recebeu a resposta: «Sua pergunta é muito complicada e nós responderemos em três semanas». Até hoje, ele nunca recebeu a resposta.

18 de agosto de 2006 – Morten ligou para a UDI, reclamou do não-recebimento da resposta de seu e-mail e perguntou sobre a possibilidade de eu viajar como turista. A funcionária disse que nada me impede. Achamos mais prudente confirmar esta informação com o consulado do Rio. Ela também informou que meu requerimento já estava prestes a sair, pois estava no departamento de assuntos familiares.

21 de agosto de 2006 – Telefonei para o Rio. Sou expressamente aconselhada a não viajar para a Noruega como turista, pois correria o risco de ter o visto cancelado. Então, é melhor não desafiar a lei e reunir forças para mais espera.

7 de setembro de 2006 – Dia da independência do Brasil, feriado nacional. Alguém da UDI tentou enviar o documento da permissão por fax para o Rio, mas o escritório deveria estar fechado. Então, ele mandou a permissão pelo correio.

14 de setembro de 2006 – Morten ligou para a UDI mais uma vez. O funcionário que o atendeu diz que a permissão já fora enviada dia 7 de setembro! Dia de felicidade absoluta, aparentemente a espera chegara ao fim.

19 de setembro de 2006 – Preocupada por ainda não ter recebido um telefonema do Rio comunicando-me sobre a chegada da permissão (que supostamente seria por fax, portanto, rapidamente), eu resolvo ligar para lá. A secretária me disse que ainda não tinha recebido nada.

20 de setembro de 2006 – Morten tornou a ligar para a UDI e ficou finalmente sabendo que a permissão havia seguido por correio convencional. Não havia nada com que se preocupar. Algumas horas mais tarde recebi um telefonema do Rio – a carta contendo minha permissão acabara de chegar e seria mandada para minha casa ainda naquele dia! Coincidência ou não, a mensagem de sorte do Orkut dizia:
«Há uma carta ou mensagem alegre chegando para você.»

22 de setembro de 2006 – A tão esperada carta foi entregue para mim.

Agora terei algumas semanas para organizar tudo, providenciar passagem, fazer as malas, tomar vacinas, fazer um check-up, etc . Mas prometo que passo por aqui antes de viajar! Um bom final-de-semana para todos que me visitam!

O Diário de Bridget Jones e Bridget Jones: No Limite da Razão

O Diário de Bridget Jones e Bridget Jones: No Limite da Razão

Rating: ★★★★★
Category: Movies
Genre: Romantic Comedy

Li o livro que originou o primeiro filme e recentemente assisti à sequência. Estes dois filmes sobre uma mulher cheia de grilos e muito engraçada chamada Bridget Jones estão entre meus favoritos. Me identifico com ela em muitos aspectos e pela primeira vez vi no cinema um retrato de mulher ‘real’, que não é perfeita, mas é amada justamente por isso. Colin Firth está de arrasar.

14 de setembro de 2006. O dia em que a agonia acabou

14 de setembro de 2006. O dia em que a agonia acabou


São Paulo, Brasil, 14 de setembro, por volta de 5 horas da manhã. Meu celular, que está com o visor em branco devido a uma queda, toca. Eu, meio sonolenta, confundo a campainha da ligação com a do despertador. Aperto a tecla que ignora a ligação. O telefone toca novamente. Eu, mais uma vez, ignoro a ligação.

Alguns minutos depois, percebo que se tratavam de ligações, e não toques de despertar. Fico imaginando se não era o Morten, que havia prometido ligar se obtivesse uma resposta positiva da UDI. A dúvida paira na minha mente durante boa parte do dia. 

Mais tarde, por volta das 10 horas da manhã, enquanto assisto à TV, vejo na MTV o vídeo-clip da canção «Beautiful Day», do U2. Seria um sinal? Melhor não alimentar esperanças.

Por volta do meio-dia, verifico minhas mensagens. Não há nada. Logo, concluo que não há nenhuma novidade da UDI.

Vou trabalhar normalmente e às 16 horas no Brasil, 21 horas na Noruega, me conecto ao Skype para conversar com Morten, conforme o combinado. Pergunto que resposta ele obteve do funcionário da UDI e ouço:

«Quando você quer vir para a Noruega? Sua permissão foi enviada para o Consulado do Rio dia 07 de setembro!»




Já chorei e ri ao mesmo tempo hoje. Agora falta muito pouco.

Obrigada a todos que me deram forças durante esta espera.
Obrigada à UDI. O sistema funciona, afinal de contas.
Obrigada, meu amor, por ter tido tanta paciência e nunca ter desistido.

Obrigada, Deus, por ter atendido às minhas preces.

Aniversário de namoro

Aniversário de namoro

Start:      Sep 21, ’06

Mais um mês…2 anos e meio! Ou seja, 36 meses. Lembro que comemoramos 1 ano e meio de namoro na nossa viagem…nem parece que passou tanto tempo, o que é um excelente sinal! Gratulerer med dagen!

Man married his mother – Aftenposten.no

Man married his mother – Aftenposten.no

http://www.aftenposten.no/english/local/article1082292.ece
Estou agoniada esperando meu visto, mas isto eu jamais faria. Um iraquiano simplesmente casou com a própria mãe para que pudesse trazê-la para a Noruega também junto com seus irmãos menores, que ele declarou serem seus filhos! Fico chateada apenas por que pessoas que fazem as coisas com pilantragem acabam prejudicando as que estão fazendo tudo certinho.

Mais uma empreitada

Mais uma empreitada


Olá!

Hoje tive minha primeira aula do curso de manicure que estou fazendo, em uma escola de cabeleireiros aqui em São Paulo. Eu nunca fui muito ligada a essas coisas de beleza, apenas sabia o básico. Mesmo que eu nunca venha a usar este meu diploma na Noruega, acho válido saber fazer isso, tanto para mim mesma como para minha futura família lá -minha sogrinha, minhas 2 cunhadas, 2 vovós e muita gente ainda que eu nem conheço. Quem sabe assim eu começo uma boa clientela no boca-a-boca? Foi assim que eu consegui a maioria dos meus alunos de inglês aqui. Em geral, fui bem, não arranquei nenhum ‘bife’, hehe. Se eu tivesse mais tempo, faria outros cursos legais, como esteticista, depiladora, maquiagem. Vamos ver.

Hoje meu amor está mudando para sua casa nova, onde em breve eu também morarei. É muito chato estar longe querendo estar lá para ajudar a montar, arrumar, limpar. Eu adoro pôr uma bagunça em ordem! Mas ele prometeu que vai deixar uns trabalhinhos para quando eu chegar.

Agora, vou descansar, pois além das 4 horas de curso, fui dar aula. Que dureza!
Bom final-de-semana!