Måned: mai 2007

O primeiro dia com 31 anos!

O primeiro dia com 31 anos!

Pois é, ontem fiquei um aninho mais velha – completei 31. Eu nunca fui de comemorar aniversários com muita badalação, então o dia foi exatamente do jeito que eu gosto. Meus sogros vieram pra cá, ganhei alguns presentinhos, um bolo e uma rosa do meu amor, recebi muitos recadinhos no Orkut e no Facebook, além de e-mails e sms, fiquei muito muito feliz pelo carinho dos amigos do Brasil e daqui também.  Por último, liguei para a família – meu Deus, como é difícil ligar para a família. Eu sei que quero e tenho que telefonar, mas ao mesmo tempo sei que, quando falo com eles, aquela saudade que martela lá no fundo explode e eu fico muito mal. Tão mal que às vezes, evito ligar justamente por isso. Mas, hoje estou bem melhor.

Acordamos bem cedinho, pois era pra eu ir ter trabalhado como babá hoje (aquele emprego novo que eu disse que estava tentando), mas na última hora, quando estávamos quase saindo de casa, a mãe das crianças me ligou dizendo que o menino estava doente e que ela ficaria tomando conta deles e faltaria no trabalho. Acabei ficando aqui e, ajudei meus sogros a limpar e organizar nosso jardim. Eles trouxeram cortador de grama, ferramentas, plantinhas…Agora eles ainda estão trabalhando enquanto eu escrevo e tomo conta das batatas que estão cozinhando para o jantar – hoje vai ter churrascão de novo, no jardim limpinho! Depois eu posto umas fotos. A máquina estava no bolso do casaco que o Morten esqueceu na casa dos pais na última vez em que estivemos lá, e só ontem ela voltou. Quero começar a tirar mais fotos, pois com a chegada da primavera os dias estão cada vez mais lindos. Até a próxima!

Feriado bem aproveitado

Feriado bem aproveitado

Depois do feriadão, cá estou de volta. Sexta-feira, fui limpar a escola em Skårøya e, para minha sorte, o Morten teve que ir trabalhar no mesmo local onde fica o cais de onde o barco parte para a ilha e eu pude voltar de carona com ele. Adoro coisas inesperadas assim. Sábado foi o dia do nada: nenhum compromisso, nada marcado, dia de fazer o que queríamos. E foi o que fizemos. Tomamos café-da-manhã no quintal, fomos ao centro comercial, à bilbioteca (alugamos vários DVDs de graça e eu emprestei o livro «Typisk norsk»), arrumamos algumas coisas aqui em casa e começamos a ajeitar nosso jardim. Para começar, plantamos flores em um vaso e o Morten construiu uma jardineira. Plantamos girassóis nela. Quando começarem a sair os primeiros brotinhos, vou tirar fotos.

No domingo fomos até Titran. O Morten marcou uma entrevista com um senhor que é guia do memorial da segunda guerra que tem lá e foi muito interessante. Desta vez, além de assistir à explicação, ainda pudemos fazer um tour por um bunker que os nazistas usaram durante a a segunda guerra. Parecia um labirinto de rochas, várias passagens subterrâneas e túneis minúsculos, pelos quais só podíamos passar agachados. De lá ainda fomos jantar naquele mesmo lugar em que estivemos no 17 de maio. Ah, e assistimos um DVD em casa.

Ontem foi dia de faxinão geral, para receber a visita dos sogrinhos, que chegam amanhã. Ah, e para o jantar inventei de fazer coxinhas para o marido experimentar. Não tinha farinha de rosca e usei a de mandioca, nenhuma diferença! Ele adorou. Hoje eu trabalhei das 7 às 16 e amanhã, quinta, sexta e sábado tem mais. Pena que eu e o Morten não poderemos ficar muito tempo com eles, mas eles são super ativos, com certeza vão passear muito pela ilha. Ah, sem falar no tempo, que está simplesmente maravilhoso. Hoje estava um sol de queimar, a temperatura chegou aos 22 graus! Eu cheguei a comentar com minha chefe que no Brasil, qualquer temperatura abaixo de +20 graus é considerada frio. Mas, hoje, não senti nada de frio. Será que o corpo se adapta às mudanças climáticas tão rápido? A minha chefe disse que não é isso, que na verdade eu já virei norueguesa. Vai entender…

Com este tempo divino, resolvemos fazer churrasco pro jantar no quintal. Aqui pode-se comprar uma churrasqueira descartável, que é uma bandeja de alumínio com carvão e uma grade de alumínio também. é só acender o carvão e esperar 15 minutos. A carne ficou deliciosa, não imaginava que ficaria tão bom!

Quando der eu volto com mais notícias. Ha det bra!  

 

Mais um feriado na Noruega

Mais um feriado na Noruega

Sexta-feira, final-de-semana prolongado chegando. Segunda-feira dia 28 é ‘Pinseaften’ aqui na Noruega, feriado que no Brasil é conhecido como ‘Pentecostes’. Para quem não sabe o que é isso – nem eu sabia direito, já me esqueci das aulas de catequese – vou postar o que encontrei na Wikipedia:

Pentecostes é o símbolo do Cenáculo, onde os Apóstolos se reuniram, pela primeira vez, à espera do Espírito Santo, inspirador de todos os seus trabalhos na Igreja. No Cenáculo, desde a sua fundação a comunidade cristã aí se reúne, para ser conduzida pelo Sopro Inspirador, compartilhando o amor em Cristo. Atualmente o 50.º dia após a Páscoa é considerado pelos cristãos o dia de Pentecostes.

Até agora não sei como os noruegueses comemoram este dia, o que comem, etc. Mas, daqui a pouco eu vou limpar a escola na ilha e vou perguntar para minha colega, aí eu volto aqui e posto.  O que eu acho um pouco peculiar é que o Brasil, com uma religiosidade mil vezes mais forte que a Noruega, não decreta feriado neste dia. Há um outro dia, o dia da ascensão de Cristo aos céus, que é feriado aqui também. Este ano, este feriado caiu justamente no 17 de maio, então não houve uma folguinha extra.  O que eu tenho observado aqui é que eles são bem reservados quanto à religião. O brasileiro demonstra mais a sua religiosidade através de santinhos na carteira, terços no carro (nós temos um no nosso), mas até hoje eu não vi isso por aqui.  Aí, não posso deixar de questionar o porquê de tantos feriados ligados à religião se muitos não são religiosos. Lembro que um programa de TV entrevistou jovens em uma festa regada à música e álcool perguntando a eles o que era Páscoa. Apenas um ou dois responderam que era a ressurreição de Cristo. Uns responderam que era o dia do nascimento de Cristo e outros disseram que não sabiam.

No jornal local de terça-feira saiu uma estatística do número de imigrantes que há aqui na ilha. Infelizmente não mostraram quantos brasileiros há em Frøya – eu e mais uma moça. Na Noruega inteira há cerca de 1400 brasileiros. Muitos, não?

Eu tinha mais coisas para escrever, mas agora tenho que me arrumar para a ‘jornada’ até Skårøya. Depois eu volto. Bom final-de-semana e bom dia de Pentecostes!

Atualizações do post:

Segunda-feira na verdade é o 2. Pinsedag, um dia de folga que os noruegueses tiram sem motivo algum, por que o dia de Pentecostes na verdade é no domingo. É a mesma coisa que acontece aqui no 2. Påskedag (segundo dia de Páscoa) e 2. Juledag (segundo dia de Natal).

Minha colega disse que não se come ou bebe nada de especial, as pessoas vão à igreja e assistem à missa.

 

Aniversário duplo

Aniversário duplo

Start:      May 30, ’07
Location:      Frøya

Minha sogra e eu fazemos aniversário no mesmo dia. Ela e o sogro virão aqui em casa e ficarão alguns dias.

Søskenbarn treff

Søskenbarn treff

Start:      Jun 16, ’07
Location:      Skatval

Vamos ao encontro de todos os membros da família do avô materno do Morten. A cada 2 anos, eles todos se reúnem, desde os idosos até os bisnetos e tataranetos. O encontro será numa fazenda e haverá churrasco, gincanas para as crianças.

A gente é pobre, mas a gente se diverte

A gente é pobre, mas a gente se diverte

Começo de semana e muita coisa nova acontecendo. Ontem eu fui limpar o museu e a escola na ilha sem minha chefe, e sim com uma outra colega. Teve uma festa de aniversário no salão de jantar da escola no sábado e quem nos levou de barco do cais até a ilha foi o aniversariante e não a pessoa que geralmente nos leva. Bem, quando chegamos no cais e cumprimentamos o senhor, ele foi em direção ao seu barco e nós fomos seguindo-o. Quando ele disse: «Vær så god» (Algo como ‘pois não’, ou ‘fique à vontade’) e apontou o barco, não acreditamos. Era um barco daqueles mais chiques, quase um iate! Entramos, deslumbradas na embarcação e lá fomos nós. O barco era tão confortável,  que nem sentimos o balanço do mar, por que ele é tão estável! Quando chegamos na ilha, eu estava toda contente achando que iria voltar pro cais no mesmo barco, mas aí minha colega avisou que o homem dissera que iríamos voltar num barco menor – alegria de pobre dura pouco mesmo.

Também ontem fui visitar uma moça que me ofereceu um emprego. Não vou dar muitos detalhes ainda por que não decidi se vou aceitar ou não, mas o bom é que, se o salário for legal, vou poder manter o outro emprego como auxiliar de limpeza também. Hoje eu voltei lá e fui conhecer mais sobre o trabalho, e nos próximos dias deverei tomar uma decisão.

Ah, atendendo ao pedido da Mercia, vou deixar aqui a foto da minha área de trabalho. Só hoje aprendi com meu marido como se faz para fotografá-la (que vergonha). Para quem ainda não sabe, vou ensinar o jeito que eu aprendi: É só clicar em um botão chamado «Print Screen» ou «Prt Scr», que existe no teclado do computador. Depois, abra um documento novo no Photoshop ou outro programa de edição de imagens e clique Ctrl+V. A foto aparece e é só editar e/ou salvar. A foto da minha área é do nosso casamento. Nossa, já vai fazer 3 meses! Boa semana para todos e até a próxima!

Meu primeiro 17 de maio na Noruega

Meu primeiro 17 de maio na Noruega

No Brasil, esta data foi somente mais um dia de trabalho. Na Noruega, foi o dia mais importante do ano, conforme descrevi no post anterior. Ontem eu participei das comemorações e tivemos um dia muito agradável.


 


Por volta de 9 hs da manhã, fomos até o cais e já havia muita gente concentrada para a parada. O sol estava brilhando e o dia parecia que ia ser lindo. O prefeito, o delegado de polícia, a fanfarra, ‘russ’ (os estudantes que terminam o colegial este ano) famílias e muitas crianças. Chamou a minha atenção o fato de todos os homens estarem vestidos de terno ou bunad (o traje típico da Noruega) e as mulheres estavam usando, em sua maioria bunad e roupas muito elegantes. Havia mais de 200 pessoas na parada, o que para uma ilha de 4 mil habitantes é um número bem significativo. No trajeto, muita animação e gritos de “Hurra for 17. mai!” (Viva o 17 de maio!). Os russ fizeram muita bagunça com apitos e suas próprias músicas que se confundiam com a música da fanfarra. Mas tudo com respeito e paz. Foi emocionante quando a parada passou na frente de uma casa de repouso e os velhinhos acenavam, todos elegantes das sacadas. Havia algumas pessoas especiais em cadeiras-de-rodas que participaram de tudo. Para mim, a parada foi uma experiência fascinante. Infelizmente, choveu um pouquinho, mas nada que abalasse a animação do povo.


 


Seguimos a parada até o final e houve discursos do prefeito, músicas e o evento foi encerrado com o hino nacional da Noruega, ‘Ja, vi elsker’ (Sim, nós amamos). Fomos para casa às 11hs30 min e descansamos até 15 hs, quando seguimos para a Grendahus aqui do nosso ‘bairro’. Muita gente comendo bolo e tomando café, crianças comprando refrigerante, sorvete, enfim, clima de 17 de maio. Porém, descobrimos que nosso horário de trabalhar era somente às 17 hs. Como o local estava muito cheio, resolvemos voltar mais tarde, pois não havia nenhuma mesa livre. Quando voltamos, no horário estipulado, não havia muito trabalho, pois muita gente já tinha ido embora. Ajudamos a limpar o salão de festas (nem no feriado eu fico livre de um pano e um rodo, hehe) e nos agradeceram demais pela ajuda. A moça que organizou tudo disse que ligou para todos os habitantes do bairro – cerca de 200 – e somente 8 quiseram ajudar. Ficamos muito contentes por termos sido tão úteis. Acho que ganhamos a simpatia de muitos e ainda levamos umas sobras de bolos.


 


Voltamos para casa por volta das 18hs30min e estávamos com fome. Olhamos o jornal e todos os restaurantes já estavam fechados. Estávamos quase decidindo ir ao posto de gasolina comprar cachorro-quente quando o Morten lembrou de um local a mais ou menos 20 minutos daqui. Telefonamos e soubemos que eles estariam atendendo até 22hs. Perfeito, fomos até lá e não nos arrependemos. O restaurante lembra uma cabana de pescadores, e tem vista para o oceano. Muito especial e a comida estava deliciosa, além do preço ter sido bem razoável. Comemos algo bem popular aqui na Noruega, que ‘kebab’, que consiste de carne bovina ou de frango refogada no pão sírio com salada, batatas fritas e uma espécie de coalhada que eles chamam de ‘rømme’. Eu adorei.


 


Para terminar o dia com chave de ouro eu dirigi nosso carro por uns 10 minutos na estrada de volta para casa! Fazia 10 anos que eu não ligava o motor de um carro. Achava que não lembraria aquela técnica de pedal de embreagem, acelerador, câmbio, enfim, achei que eu seria um desastre. Mas, eu fiquei muito surpresa, o carro novo é muito fácil de dirigir, bem leve e o Morten disse que a única coisa com a qual eu tenho que tomar cuidado é para não dirigir muito no meio da estrada. Realmente, eu dirigi longe do canteiro, pois estava com medo de que acontecesse o que aconteceu com nosso último carro, de sair da estrada. Eu pretendo treinar todo dia a partir de agora e quando eu pegar confiança, vou fazer o teste de direção.


 


Hoje eu já trabalhei cedinho, mas terei o resto do dia livre. Amanhã, em compensação, irei a 3 lugares junto com uma colega. O tempo aqui está melhorando, mas a chuvinha teima em cair de vez em quando. Um bom final-de-semana e até a próxima!

Hurra for 17. mai!!!

Hurra for 17. mai!!!


O delegado da polícia Ove Fiskvik vem à frente, seguido pelo prefeito Arvid Hammernes. A parada começou do cais e foi até a praça central.

Fotos que meu amor tirou da comemoração do 17 de maio em Frøya, onde eu moro. Clique nas fotos para mais detalhes.

Era uma festa norueguesa com certeza

Era uma festa norueguesa com certeza


Somente hoje estou escrevendo, por que estive viajando, voltei domingo à noite e ontem trabalhei. A festa foi sensacional, me diverti muito, mas não dançando e sim como observadora. Sábado eu pude elaborar um perfil do que é uma festa norueguesa. Meus sogros planejaram tudo com o maior cuidado, e o resultado foi perfeito! Aqui vai uma lista dos pontos altos da noite:

Missão possível


Eu e o Morten, como quase todos os parentes, tiveram uma função na festa. A nossa foi de recepcionar os convidados, dizer «Velkommen» e oferecer-lhes um coquetel de boas-vindas. Também fomos responsáveis por colocar os bolos em uma grande mesa após o jantar e posicionar xícaras de café e pires nas mesas dos convidados. Aliás, não houve somente um grande bolo de aniversário e ninguém cantou a música do parabéns, foram servidos vários bolos e sobremesas. Os primos do Morten ficaram encarregados de servir a comida (carne de cordeiro, batatas gratinadas e legumes cozidos) e o vinho, tudo detalhadamente comandado pelo tio do Morten. Acho que nem serviço de buffet teria sido tão perfeito.


Discursos musicais


Se eu não perdi as contas, houve pelo menos 8 discursos durante a festa. Em dois deles, os discursantes cantaram canções especialmente compostas para os aniversariantes. Comentei com o Morten e meu cunhado que no Brasil as pessoas geralmente não preparam homenagens deste tipo, apenas vão à festa, parabenizam o anfitrião, comem, bebem e vão embora. Ponto para os noruegueses, que exprimem gestos de carinho, como os discursos.


Rap da sogrinha


Durante o jantar, vimos entrando no salão um menino carregando um rádio, de camiseta e jeans bem largos e boné na cabeça. Quando eu olhei atentamente, não acreditei: era minha sogra, que simplesmente cantou um rap para meu sogro! Ela é baixinha e magrinha, parecia mesmo um garoto rapper. Com certeza este foi o ponto mais alto da festa, todos ficaram surpresos e comentaram a festa inteira.


Bamses fødselsdag


A surpresa com a qual eu contribuí foi um vídeo composto de fotos dos meus sogros desde a juventude, embalados pela canção «Bamses fødselsdag», uma música tradicional infantil (que fala do aniversário de 50 anos do papai urso), cuja letra o Morten modificou e incluiu passagens da vida dos dois. Meu cunhado gravou a música e meu outro cunhado selecionou as fotos.  O vídeo foi exibido num projetor e os convidados parecem ter adorado. Os meninos distribuíram a letra da música ao final e meus sogros ficaram emocionados.


Soltando a franga


Depois do jantar e sobremesa com todos bem comportadinhos, foi aberto o baile e com ele, o bar. Aí, a coisa começou a pegar fogo. A bebida deixou muitos convidados bem mais soltos e menos tímidos, e houve algumas cenas hilárias, mas não posso contar aqui por motivos de privacidade. Felizmente meu marido se comportou bem, hehe. Mas, eu compreendi que uma festa norueguesa é assim mesmo e, afinal de contas, as festas no Brasil também têm dessas coisas. Eu é que fico chocada à toa, pois nunca participei do universo dos efeitos do álcool. Eu bebi meia taça de vinho tinto, meia taça de vinho branco, um cálice de licor Baileys e refrigerante. Fomos embora às 3 horas da manhã. Pelo que pude constatar, o norueguês não é nada frio. Muitas piadas, brincadeiras e demonstrações de amizade e carinho. Estou começando a achar que esta história de frieza é pura lorota. Muitos convidados vieram conversar comigo e eu nunca falei tanto norueguês em toda a minha vida. Fiquei muito feliz, parece que a coisa está engrenando.


Mudando de assunto, nosso carro não está conosco ainda. O vendedor ligou sexta e disse que foi descoberto um problema, e que por isso ele trocaria a peça de graça e viria nos entregar o carro pessoalmente amanhã. Então continuamos com o carro emprestado da agência. A professora de norueguês ligou ontem para o Morten e disse que infelizmente ela não pode deixar que eu comece ainda, pois a UDI não liberou a autorização. Mas, ela me disse que meu processo já passou por uma etapa (de quantas?) e que nós devemos aguardar mais um pouco. Dia 16 vai fazer 2 meses que entrei com o pedido, vamos ver quantos meses de canseira eles vão nos dar.


Como já foi dito, dia 17, quinta-feira, é o dia mais importante do norueguês. Já vi a explicação em outros blogs, mas se você está lendo sobre isso pela primeira vez, aqui vai um resumo:


Depois de 400 anos de dominação pela Dinamarca, a Noruega ficou independente deles em 1814 e entrou em uma união livre com a Suécia. Naquele mesmo ano, no dia 17  de maio, foi outorgada a constituição do país. Embora a união com a Suécia tenha durado até 1905, o dia da ‘independência’ norueguês é oficialmente no dia 17 de maio de 1814, portanto, há 193 anos.



Assinatura da constituição da Noruega. Eu vi uma cópia da constituição na biblioteca de Hitra, e as assinaturas eram na verdade gotas de sangue dos membros da assembléia


A comemoração é algo único. Muitas casas têm em seu quintal um mastro, onde hasteiam a bandeira da Noruega. Todos devem usar uma roupa impecável, a melhor que tiverem. Os que têm o bunad, traje típico, usam-no obrigatoriamente neste dia. A maioria empunha uma bandeira do país ou usa uma fita afixada à roupa com as cores da bandeira. Cada município tem seu programa de comemoração. Aqui onde eu moro, vamos desfilar todos juntos do cais até a praça central por volta das 10 hs da manhã, com a banda tocando canções tradicionais, como a canção do rei e outras. Chegando na praça, o prefeito irá falar algumas palavras e tocará o hino nacional. Mais tarde, eu e o Morten iremos até a ‘grendahus’ (salão de festas que pertence a todos os habitantes do bairro onde moro) e as crianças participarão de gincanas. Nós vamos vender bolos e doces no quiosque. Neste dia as crianças têm permissão de comerem quantos cachorros-quentes, sorvetes e beberem quantos refrigerantes elas quiserem.  Vou postar fotos aqui no dia seguinte, se possível. Hoje vou deixar algumas fotos que achei na net para que vocês possam ter uma idéia de como é o 17. mai.



Desfile



As duas mulheres na foto estão usando o Trønder bunad


Tenham uma ótima semana!

On the road again

On the road again

Daqui a pouco vou sair para o trabalho. Hoje é somente a limpeza na ilha e depois vou pegar o ônibus para encontrar com meu amor para de lá seguirmos para Stjørdal, devolver o carro emprestado e pegar nosso carro. Feito isso, seguimos para Klæbu. Amanhã tem festa de aniversário dupla, como já havia contado antes, 50 anos dos meus sogros. Nunca estive numa festa de 50 anos, estou muito curiosa para ver como é. A gente volta no domingo. Semana que vem é a semana do 17 de maio, eu mal posso acreditar! Há quantos e quantos anos eu venho sonhando em comemorar esta data aqui, ver os desfiles e sair com a melhor roupa e com bandeira da Noruega em mãos. Ah, sem esquecer que, neste dia, as crianças podem comer quantos cachorros-quentes e tomar quantos sorvetes elas quiserem. Puxa, só as crianças?


Ontem fui ao correio buscar um pacote enviado pela minha querida amiga e aluna Gema. Veio uma toalha linda de macramé que ela mesma fez, um CD com toda a reza do terço, uma medalha linda, doces, café (que delícia!) e até filtro de café ‘made in Brazil’! Ficamos tão felizes com tantos presentes. Gema, se você ler este post, queremos te agradecer muito de coração! O mais fofo foi que ela havia dito que não sabia se o pacote iria mesmo chegar, pois no meu endereço estava faltando nome de rua, número de casa, cep, haha. Aqui é assim mesmo, os endereços são minúsculos e quando a gente vai limpar alguma casa, temos que seguir indicações do tipo «casa amarela, depois do pasto de ovelhas, do lado esquerdo». Que coisa mais primitiva!


Bom, eu até queria escrever mais, mas tenho só mais uma hora e tenho que me preparar para o trabalho. Um bom final-de-semana e até a próxima!