Måned: november 2007

Garantindo o papai noel do ano

Garantindo o papai noel do ano

Já faz tempo que eu escrevi a última vez. Desde que tirei a carta de motorista, tenho trabalhado muito. Recebi uma proposta de substituir uma faxineira que está de licença médica e desde semana retrasada estou limpando a agência dos correios e um banco aqui mesmo na ilha onde eu moro. Então minha rotina se resume a dirigir para a ilha vizinha, cerca de 35 minutos daqui onde eu moro por volta das 6:30 da manhã, fazer a limpeza lá, voltar, ir até os correios e duas vezes por semana tenho que limpar um escritório e o banco. Semana passada tive que faltar no curso de norueguês grátis, por que estava muito atarefada. Pensei que a outra faxineira iria voltar ao trabalho esta semana, mas não. A licença dela foi prorrogada até o dia 6! Ontem eu não quis faltar de novo. Dirigi para Hitra às 5:30, e consegui limpar três lugares antes das 10:30, quando começou a aula. Apesar de ser cansativo só fazer limpeza atrás de limpeza, estas horinhas extras vão engordar meu salário agora pro Natal, quando pretendo mandar um pacote de 10 quilos com presentes para minha família no Brasil e também comprar os presentes para a família norueguesa.

Há duas semanas recebemos a visita dos meus sogros, que trouxeram atrás do carro um trailer lotado de coisas. A escrivaninha e a mesa de jantar que eles tinham antes de comprar as novas e a bicicleta que eu ganhei do avô do Morten. Também veio uma cama que compramos para nosso novo quarto e o presente de Natal e de aniversário adiantado meu e dele: uma máquina de lavar louça! Estou fascinada por esta máquina, que aqui é tão normal quanto fogão e geladeira. É quase surreal pensar que depois das refeições não preciso mais lavar aquela pilha de louça. É só passar uma água e enfiar tudo na máquina! Tem algumas coisas que não podem ser lavadas na máquina, mas mesmo assim o trabalho ficou bem mais leve. Meu sogro tirou muitas fotos e assim que ele me mandar, eu posto aqui.

Na escola noturna, o colegial norueguês, vai indo tudo bem. Escrevi um artigo sobre o ensino de inglês, mas ainda não recebi a nota. Segunda-feira tivemos um simulado de prova, onde escrevemos um texto sobre um dos temas propostos. Eu escolhi o tema «Hva er du opptatt av akkurat nå?» (Com o que você está ocupada no momento?). Escrevi sobre os desafios que venho enfrentando para me incluir na sociedade norueguesa. Falei de trabalho, idioma, estudo e racismo. Meu marido leu o rascunho e disse que vou tirar mais que 3, a média. Mas, sabe como é marido, suspeito para falar, hehe.

Esta semana será mais curta por que sexta-feira de manhã, assim que acabar de limpar o shopping, vamos para Trondheim e Klæbu. À noite vamos jantar na casa dos meus cunhados, que recentemente se mudaram para seu próprio apartamento e sábado vamos num café de noite para encontrar nossos amigos e também padrinhos de casamento. Vai ser muito bom mudar de ares depois de semanas só fazendo limpeza e estudando.

O que me ajuda muito a encarar esta rotina pesada de trabalho é o espírito natalino, que já se instalou aqui na Noruega. Está nevando direto, as montanhas estão branquinhas, tudo remete a Natal.  O dia está escurecendo às 4 horas da tarde e clareando por volta das 9 horas da manhã, mas tudo bem. O Natal norueguês é no inverno e na escuridão mesmo. Engraçado que depois de um ano tudo fica normal. a gente aceita que é assim que deve ser.

Hoje eu vi um documentário de um militar que, ao participar de uma missão de paz no Líbano, se apaixonou por uma libanesa muçulmana e se converteu ao islamismo para se casar com ela. Hoje ele é delegado de uma cidadezinha norueguesa e todos aceitam muito bem a religião dele.  Ontem vi um debate sobre a intenção de um ministro norueguês de expulsar todos os imigrantes ilegais da Noruega. Falaram sobre anistiar todos, ou seja, perdoar a ilegalidade e deixá-los morando aqui. As opiniões foram bem divididas e a minha também. Falando nisso, li no jornal outro dia uma mensagem de um norueguês pedindo aos imigrantes para não se comportarem como se fossem donos do mundo e para que eles entendessem que eles moram em outro país, e devem se adequar ao estilo de vida dele. Depois de um epísódio que vivenciei no trem entre Trondheim e Oslo eu entendo perfeitamente do que este norueguês está falando. Não são todos, mas realmente tem alguns que se recusam a viver em sociedade.

 

Consegui!

Consegui!

Na noite de terça para quarta custou para eu dormir. Quarta de manhã cedo eu fui trabalhar e depois eu e meu marido fomos para Brekstad de barco. Tivemos que esperar duas horas antes do horário marcado pro meu teste de direção. Aproveitei para estudar os pontos aos quais eu teria que prestar mais atenção durante a prova. A hora foi chegando e eu ficando mais nervosa. Fomos até a auto-escola, pagamos o aluguel do carro e um instrutor foi comigo e com o Morten dar uma voltinha no carro antes de irmos até a «Trafikkstasjon». Eu fui dirigindo. Estava tão nervosa que fiz algumas barbeiragens. Esperamos o examinador e quando ele apareceu, tivemos uma má impressão – ele parecia sério, carrancudo demais. Comecei a dirigir e de repente o examinador começou a conversar comigo sobre o Brasil. Disse que tinha estado em Natal e eu fiquei super tranqüila. Até que ele pediu para eu entrar num estacionamento e estacionar o carro numa vaga. Perguntei se era para estacionar de ré, mas ele disse que era pra eu estacionar como eu quisesse. Eu estacionei de bico mesmo. Ele pediu para eu sair do estacionamento e quando eu já estava quase saindo, ele avisou: «Olhe a placa, você está saindo por um lugar proibido». Murchei. Pensei que já era. Pedi desculpas, manobrei e saí pelo local certo. Continuei dirigindo por mais uma meia hora, até que voltamos á Trafikkstasjon. Lá, ele me deu a notícia: «Você dirige bem, só deve ser cuidadosa. Acho que foi tudo bem e você passou.»   

Que alívio que eu senti. O Morten saiu para me receber e eu disse que tinha passado. Felicidade total. Só não deu para comemorar muito por que o examinador e o instrutor estavam do lado. Entramos no escritório, tirei foto numa máquina automática conectada ao computador do Statens Vegvesen (o Detran norueguês) e a funcionária começou a confeccionar a minha carta de habilitação no computador. Na hora da assinatura, mais uma novidade para mim: uma telinha de computador com uma caneta, onde eu assinei e a assinatura também foi escaneada direto para o computador. Eu não saí de lá com a carta, mas com um documento de habilitação temporário. A carta chega ao longo da semana.

Fomos comemorar num café e tomamos café com rosquinhas que eles chamam de «smultringer». Ainda era cedo, 2 da tarde e o barco de volta só viria às 5 e meia. Até poderíamos dar uma volta por Brekstad, mas estava um frio insuportável, cerca de 5 graus negativos. Então resolvemos ir á biblioteca. Lá o Morten usou a internet e eu me deliciei lendo a revista brasileira Veja, que a biblioteca assina. Demos uma olhada nas lojas, e pegamos o barco. Para comemorar jantamos fora. Agora eu posso dirigir sem problemas, e a carta norueguesa vale também no Brasil, por isso eles apreenderam as cartas brasileira e internacional que eu tinha. Recomendo muitíssimo a quem vai vir morar aqui a vir com a carteira brasileira e que troque para a norueguesa em um ano. Senão, eles exigem o processo todo do zero aqui, o que significa um gasto de no mínimo 15 000 coroas (5 mil reais).

Tem mais coisas acontecendo, depois eu conto num outro post.


Uma hora antes do exame, estudando e treinando neste carrinho 😉     Depois do exame, feliz da vida com a carta temporária até eu vou usar por uma semana até receber a definitiva

Comunidade «Tira-dúvidas de norueguês» no Orkut

Comunidade «Tira-dúvidas de norueguês» no Orkut

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=41429916
Cansadas de ver esnobismo e falta de vontade das pessoas que já manjam o norueguês em ajudar as que ainda não sabem, a minha amiga de Bergen Kelly e eu resolvemos criar uma nova comunidade no Orkut para tirar dúvidas do idiomas, mesmo as mais simples. Eu sou a moderadora. Convido então a todos que estejam estudando norueguês e estejam batalhando por um lugar na sociedade do país a participarem.

Noruega não é o país das maravilhas

Noruega não é o país das maravilhas

Satisfeita

Segunda-feira passada a Anne-Brit nos devolveu as «kåserier» que escrevemos e eu tirei nota 5- no conteúdo e 5+ no idioma. Lembrando que as notas vão de uma escala de 1 a 6. Acho que estou indo bem, mas tem mais provas pela frente e teremos que ler dois livros e fazer análise e escrever um trabalho para o semestre que vem.

Gruer meg

Quarta-feira que vem será o dia da minha prova de direção. Ontem eu e meu marido fomos à auto-escola e eu fiz duas aulas. O professor era outro e era bem, mas bem mais legal que o anterior. Me deixou super-tranqüila e corrigiu apenas uns errinhos. Ele garantiu que se eu dirigir como dirigi ontem, passo na prova. Porém, semana que vem vou estar nervosa, vou tentar me controlar e lembrar das dicas que ele deu.

Será que dá?

Hoje eu mandei um ‘søknad’ (carta onde demonstramos interesse por um emprego e expomos nossas qualificações) para a escola aqui da ilha para me candidatar a uma vaga de professora de inglês. Não tenho formação pedagógica e letras, mas tenho 10 anos de experiência no Brasil. Considerando que eles precisam de professor para ontem, não está totalmente descartada a possibilidade de eles me chamarem. Quem não arrisca, não petisca.

Roubo

Ontem, enquanto eu fazia limpeza no shopping, chegou a polícia. Ladrões entraram no shopping durante a madrugada e invadiram a loja de conveniência, onde também funciona uma agência dos correios. Eles roubaram dinheiro e cigarros. Felizmente os policiais não me fizeram perguntas e eu terminei o meu trabalho e fui embora. Foi bem desagradável, pois agora conheço todos os lojistas e imagino como deve ser desesperador ver que sua loja foi roubada e vandalizada.
E isso tinha que acontecer justamente no dia em que eu recebi um bilhete da minha supervisora dizendo que todos os lojistas estão elogiando o meu trabalho. Alegria de faxineira dura pouco.

Cara-de-pau

Há cerca de dois meses esqueci um cachecol no vestiário da academia aqui da ilha. Tinha a esperança de encontrar o cachecol no mesmo lugar quando voltasse, mas isso não aconteceu. Segunda-feira, quando eu estava de saída da academia, eis que vejo o MEU cachecol numa cadeira. Ou seja, a pessoa, além de afanar o cachecol, tem a cara-de-pau de ir à academia usando o mesmo.

Por esses dois acontecimentos narrados acima fica a conclusão de que a Noruega, ao contrário de que muitas reportagens dizem, não é perfeita. Há gente honesta e desonesta em todo canto do planeta.

Diários de motocicleta e de carro

Diários de motocicleta e de carro


Primeira neve do inverno 2007-2008 em Frøya, sexta-feira, 2 de novembro
 
 
Este fim de semana alugamos mais um filme para assistir no computador. O filme foi  «Diários de motocicleta», aquele filme que conta a viagem de Ernesto ‘Che’ Guevara e Alberto Granado pela América do Sul, muito antes da revolução cubana que transformou Che em mártir. Adoramos a história, recomendo. Ontem à noite na tv norueguesa passou «Crash», e como meu marido não tinha visto, eu assisti junto com ele novamente.

Neste final de semana fizemos uma arrumação geral em um dos quartos onde guardávamos de tudo – o famoso quarto da bagunça. Meu marido quer pintar e polir o chão como fez com o nosso quarto e aos poucos a casa vai ficando do nosso jeitinho. Hoje estamos arrumando o escritório, vou ganhar uma escrivaninha só pra mim e assim, vou poder tirar meus livros da escola da estante da sala. Sou muito bagunceira com coisas da escola, vai ser bom poder guardar tudo num só lugar e melhor ainda que esse lugar fique longe dos olhos das visitas, hehe.

Na aula de quinta-feira passada a Anne-Brit começou a nos ensinar a fase literária do Barroco na Noruega. Adorei a aula dela, além de falar do Barroco na literatura, ela também falou sobre o Barroco na música  – e tocou uma peça de Bach para a gente ouvir e na arte – ela mostrou slides de pinturas de Rembrandt, da Vinci e mais outras ilustrações. Foi uma das aulas mais interessantes que já tive em toda minha vida. Na aula de Samfunnslære só eu estive presente e o professor fez uns exercícios comigo na internet, basicamente sobre a estrutura política do parlamento e como os projetos de lei são analisados até serem aprovados pelos representantes. Aprendi também sobre a administração dos fylker (condados) e kommuner (municípios).

Desde terça-feira passada eu tenho dirigido sozinha para o trabalho. Isto está servindo como um excelente treino para minha prova de direção daqui a 10 dias. Hoje fui às 6 horas da manhã. Lá fora, um breu. Para completar, me deparei com uma fila de cervos querendo atravessar a estrada e parei para um deles cruzar a via. Sinto que me acostumo mais e mais com o carro e consigo dirigir com mais segurança e controle. Mas, vamos ver o que o professor vai falar na sexta, quando eu vou ter mais duas aulinhas só pra garantir.

Quarta-feira passada, durante a aula de norueguês (não com a Anne-Brit, mas com a Valborg), eu passei de nível de uma hora pra outra. Da lição 5 do livro 2 pulei para o livro 3. A Valborg disse que eu tenho que terminar o livro 2 sozinha e fazer os exercícios e recebi o material do livro 3. Tomara que dê tempo para eu terminar o livro 4 até fevereiro, quando eu vou fazer a prova final. Eu resolvi mudar de horário, por que tem um aula às terças das 10:30 às 13:00, e esse horário coincide perfeitamente com o horário em que eu volto do trabalho. Então, em vez de voltar pra casa e ir pra escola de tarde, eu vou pra escola de manhã e tiro a tarde livre.