Måned: april 2009

O delicioso perfume da primavera

O delicioso perfume da primavera

A primavera, sem alguma sombra de dúvida, ja se instalou por aqui. Podemos ver árvores e arbustos com brotos, todos mexendo nos seus jardins e no ar paira um inconfundível cheirinho de…esterco! Ontem eu estava prestes a passar mal devido ao fedor que empestiou todas as ruas, invadindo até as casas. Como a Noruega tem fazendas por toda a parte (até na cidade, se procurarmos direito) e agora é a epoca de adubar a terra, eles saem por aí dirigindo uns caminhões parecidos com aqueles caminhões pipa e injetam o esterco na terra. Concordo que esterco natural é bem melhor e ecologicamente correto do que fertilizantes químicos, mas aguentar o cheiro não está sendo fácil.

Sábado fomos ao cinema assistir a um filme chamado «Knowing», uma mistura de ficção científica com ação. Nicolas Cage é o ator principal e a história gira em torno de uma carta encontrada numa cápsula do tempo enterrada por alunos de uma escola 50 anos atrás que revela números que indicam a data, o número de mortos, a latitude e a longitude onde catástrofes aconteceram ao longo desse 50 anos e os anos seguintes. Não vou contar o filme, mas recomendo para quem gosta deste gênero.

Sábado de manhã finalmente minha agonia acabou. Recebi os comentários sobre o meu trabalho de civilização. Ele foi aprovado e recebeu mais comentários positivos que negativos. Eu me atrapalhei um pouco com as estatísticas e a conclusão que, em vez de oferecer respostas ao tema, apresentou mais perguntas. O fato é que ele foi aprovado e eu fiquei super contente.

Esta semana e mais curta aqui também devido ao feriado de 1 de maio, Dia do Trabalho por aqui também. Vamos para Frøya na quinta a noite e ficaremos lá uma semana para terminar a reforma. Quero estudar entre um serviço e outro, por que as provas já começam dia 15.

Hoje ouvi notícias de que há suspeitas de dois noruegueses contaminados pela gripe suína. O remédio que combate a gripe já se esgotou em muitas farmácias. Espero que as pessoas não entrem em pânico. 

Sonhando o sonho

Sonhando o sonho

Em um programa da TV inglesa parecido com o ”Ídolos” no dia 11 de abril deste ano, uma desempregada escocesa de 48 anos chamada Susan Boyle surpreendeu os jurados e o público com sua belissima interpretação da canção ”I dreamed a dream” (Eu sonhei um sonho), do musical ”Os Miseráveis”. Este trecho do programa mostra o deboche expressado por todos quando ela, ingênua e sincera, responde as perguntas (com um fofo sotaque escocês) e termina com a total ovação da platéia e dos jurados diante de sua fantástica apresentação. Impossível não chorar.
Susan Boyle é um exemplo de que nunca é tarde para realizar um sonho. Vou me lembrar disso nas vezes em que eu me perguntar o que e que eu, beirando os 33 anos, estou fazendo numa universidade cercada de jovens de 20 anos.

I Dreamed A Dream (trecho que Susan canta)

I dreamed a dream in time gone by
When hope was high
And life worth living
I dreamed that love would never die
I dreamed that God would be forgiving

Then I was young and unafraid
And dreams were made and used and wasted
There was no ransom to be paid
No song unsung, no wine untasted

But the tigers come at night
With their voices soft as thunder
As they tear your hope apart
And they turn your dream to shame

And still I dream he’ll come to me
That we will live the years together
But there are dreams that cannot be
And there are storms we cannot weather

I had a dream my life would be
So different from this hell I’m living
So different now from what it seemed
Now life has killed the dream I dreamed.

Pagando a língua

Pagando a língua

Hoje, no caminho para a faculdade tive mais uma prova de que a primavera está mesmo dando os ares de sua graça em Trondheim. Sol brilhando, céu azul e temperatura muito agradável. Antes de ter me mudado para cá, havia lido que os noruegueses, ou nórdicos em geral são acometidos por um fenômeno que começa quando o sol aparece e os dias ficam mais claros, longos e quentes. Trata-se de uma mudança drástica de humor, eles ficam sorridentes e mais animados. Achei tudo isso uma conversa fiada, como que a mudanca de clima poderia ter um efeito tão marcante nas pessoas? Enfim, achei isso tudo uma tremenda ‘frescura’. Mas, agora, morando aqui há exatos 2 anos, 5 meses e 3 dias, admito que paguei a língua, por que este fenômeno também está acontecendo comigo! Tenho muito mais disposição para acordar cedo, estudar e fazer meu dia render mais.

Anteontem assisti a um programa de TV sobre comida típica norueguesa. O que me chamou a atenção foi ver uma barraquinha de frutas na beira da estrada com maçãs, peras e ameixas fresquinhas e lindas. O apresentador parou para comprar algumas ameixas, e na hora de pagar, onde estava o dono da barraquinha? Não havia dono algum! Na Noruega é comum ver barraquinhas de frutas, batatas e outros alimentos sem uma pessoa para receber o pagamento.  O dinheiro é colocado em uma caixinha e leva-se aquilo pelo qual se paga. Alguns chalés para turistas espalhados pelas montanhas daqui também têm esse sistema, que se chama ‘ubetjent’. Os turistas entram no chalé, dormem, comem e pagam quando vão embora, ou escrevem o número de sua conta bancária em um caderninho para receberem uma fatura para pagar depois. Incrível! Vamos ver por quanto tempo essa honestidade norueguesa consegue perdurar.

Para o jantar de hoje vou fazer pela primeira vez um prato chamado ‘fricassé de frango’. Eu e meu marido temos um acordo com nossos sogros em relação ao jantar. Uma semana somos nós que fazemos o jantar e na outra são eles (na verdade só minha sogra, por que meu sogro não cozinha – nesse ponto eu sou mais do que sortuda). Na sexta-feira costumamos fazer um jantar um pouquinho mais festivo ou trabalhoso, para celebrar a chegada do final-de-semana (se bem que, confesso que às vezes me dá vontade de chegar em casa e comer qualquer coisa simples em frente da TV – o que nao é possível quando se mora com outras pessoas). Vou tentar também fazer arroz à grega para acompanhar. Tomara que dê certo!

Botando as manguinhas (curtas) de fora

Botando as manguinhas (curtas) de fora

Quando voltamos para Klæbu semana passada, levamos um susto – a neve havia sumido completamente das calçadas, jardins e telhados. Foi como ter ficado longe de casa 6 meses em vez de uma semana. Era a primavera que começava a despontar por aqui. Os dias estão cada vez mais amenos, embora tenha nevado um pouquinho sábado passado e as temperaturas tenham oscilado entre 0 e 3 graus, bem frio. Então, estou um pouco hesitante sobre guardar os casacos pesados e começar a usar roupas mais leves. A pior coisa que pode nos acontecer aqui é sair para ir pra escola ou trabalhar e congelar por falta de roupas quentinhas o bastante. Aliás, esta é a época mais provável para se pegar uma gripe, por que os desavisados veem um sol maravilhoso lá fora, saem com roupas leves e acabam se resfriando. Hoje o dia amanheceu um pouco nublado, e a temperatura estava 4 graus positivos. Mas, agora vejo que o sol está saindo.

Estou na faculdade, onde já tive uma aula em grupo sobre análise sintática. Daqui a algumas horas terei palestra de literatura sobre o livro «Lighthousekeeping» da escritora Jeanette Winterson. Eu adorei o livro, embora ele seja um pouco complexo de entender. Estou querendo ler um outro livro dela chamado «Oranges Are Not The Only Fruit». Já vi que a adaptação deste livro feita para a TV está disponibilizada no You Tube. Primeiro o livro, depois a série.

Não lembro se contei antes, mas nós assinamos um serviço de locação de DVDs muito interessante. Pagamos uma quantia fixa por mês e escrevemos uma lista de filmes que queremos ver. Recebemos pelo correio dois filmes dentro de um envelope com porte pago que usamos para mandar os filmes de volta. E assim que eles recebem os filmes de volta, mandam dois novos filmes. Considerando que a locação de um dvd nas locadoras daqui não sai por menos de 50 coroas (cerca de 17 reais) por 24 horas, acho que esse sistema que usamos é muito melhor. Entre os filmes que assisti recentemente estão um chamado «The Prestige» e um outro chamado «Burn After Reading».  Recomendo ambos.

O bicho me mordeu

O bicho me mordeu

Finalmente arrumei um tempinho para postar. As duas últimas semanas foram muito corridas e meu marido teve que usar muito o computador. Hoje estou de folga da faculdade e aproveitei para fazer limpeza e organizar papéis e outras coisas.

A viagem para Frøya foi muito cansativa, por que tudo o que fizemos foi trabalhar. Levei até livros para ler e tricô para fazer, mas não tive tempo. Dividimos bem as tarefas e eu aprendi muitas coisas sobre reforma e acabamento. Parece que o bicho da «mania de reforma» que muitos noruegueses têm, me mordeu. Comecei a me interessar mais, dar mais sugestões. Ainda temos algumas coisas para fazer, então vamos ter que ir para lá e ficar mais uma semana para terminar o trabalho.

Mesmo com tanto trabalho durante o dia, conseguimos descansar e fazer bons jantares. Teve até bacalhau norueguês na Sexta-feira Santa. Com as sobras ainda consegui fazer bolinho de bacalhau que, modéstia à parte, ficou excelente. Voltamos para casa segunda-feira depois da Páscoa e a vida voltou à sua rotina normal.

Neste último final de semana fomos conhecer o bebê dos nossos amigos, uma adorável menininha. O meu marido será um dos padrinhos do batizado dela, que será daqui a um mês. As tradições de batismo da igreja luterana são um pouco diferentes, vou escrever um post sobre isso quando eu reunir mais informações.

As aulas estão chegando ao fim e daqui a um mês começa a tenebrosa época das provas. Este ano serão só três, mas, uma delas será longa – 6 horas de prova. Felizmente acompanhei bem as palestras e não vou precisar ler dias e dias a fio para entender as matérias.

Voltando ao assunto imigração, o governo aumentou de 300 para 600 horas obrigatórias o curso de norueguês exigido para que um estrangeiro possa requerer visto de moradia. E além disso, todos terão que fazer uma prova de norueguês antes de requerer o visto. Eu não precisei cumprir as 300 horas por que fui direto fazer a Norskprøve 3 (prova de conhecimentos do nível 3), então isso já vale para preencher os requisitos quando eu entrar com o pedido de visto de moradia.

Pastel

Pastel


Description:
Consegui fazer pastel aqui na Noruega! A massa ficou muito boa, crocante e fininha. Peguei a receita no site http://tudogostoso.uol.com.br.

Ingredients:
3 xícaras de chá de farinha de trigo
1 xícara de chá de água morna
3 colheres de sopa de óleo
1 colher de sopa de aguardente, popularmente conhecida como cachaça (este ingrediente não pode faltar, pois é o segredo da massa!)
1 colher de sopa rasa de sal
Farinha de trigo para trabalhar a massa

Directions:
Numa tigela grande, coloque a farinha de trigo misturada com o sal. Abra um buraco no meio do monte de farinha e coloque metade da água, o óleo e a aguardente. Comece a misturar delicadamente, até formar uma massa. Sove-a bem até sentir que ela ficou macia. Ela não pode ficar grudenta. Adicione farinha para deixá-la mais firme ou água para deixá-la mais macia. Abra a massa com rolo de macarrão até ela ficar bem fina. Corte quadrados ou círculos de massa, recheie à gosto, passe um pouco de água nas bordas e feche o pastel. Pressione um garfo nas bordas do pastel para fechá-lo bem. Frite em óleo bem quente, deixe escorrer em papel absorvente e sirva em seguida.

Finalmente as férias de Páscoa!

Finalmente as férias de Páscoa!

Acabei de enviar meu trabalho de civilização pelo sistema interno de informática da universidade. Acho que nunca pesquisei tanto para escrever um trabalho como fiz com este. Agora é esperar e ver se ele foi aprovado. Hoje à noite, eu e o Morten vamos a um restaurante comemorar o aniversário de uma colega minha da faculdade e amanhã vamos para Frøya. Ontem fiz um bolo de chocolate e pastel para levar. Como não temos fogão, estamos cozinhando num fogareiro, que funciona com um bujãozinho de gás. Geladeira nós também não temos, mas temos uma despensa no porão que conserva os alimentos bem frios.

Vamos ficar lá até segunda à noite, quando meu marido tem que voltar para ir trabalhar na terça. Terça à noite lá vamos nós novamente e desta vez ficaremos até segunda-feira. Não vamos só descansar, por que temos muito para fazer na casa. Mas, ficar longe dos trabalhos e dos livros por uma semana já é bom demais.