Måned: mars 2010

Minha nada mole vida de imigrante – últimos capítulos

Minha nada mole vida de imigrante – últimos capítulos

Neste final de semana pintamos os ovos para a decoração da Páscoa. Em vez de comprar ovos de plástico já pintados, resolvemos tentar pintar os ovos nós mesmos. Apesar de ter sido um desafio esvaziar e higienizar as cascas de ovos, foi muito divertido. Mostramos um pouco nosso lado artístico e o resultado ficou excelente. Comprei um kit super prático para pintar ovos:



Aqui já tínhamos 3 ovos prontos. Detalhe para o ovo padre luterano do meu marido à direita:


Esse aqui ficou com um visual moderno, obra do marido:


E no final penduramos nossos ovos nos galhinhos, como eles costumam fazer por aqui:


Hoje, segunda-feira eu fui até a polícia daqui (perdi a hora, pois esqueci de acertar o relógio do celular para o horário de verão) para dar entrada no meu visto permanente. Depois do caos típico das minhas visitas à polícia – aglomeração na porta, policiais mal-educados, senhas mal-distribuídas e até um idiota que tentou roubar minha senha – eu fui atendida quase no final do expediente. Felizmente deu tudo certo, consegui entregar os papéis com muita antecedência (meu visto vence só em junho), a papelada estava certinha e meu marido foi comigo sem ter que perder um dia de trabalho, pois está de folga a semana inteira. Eu tenho passagem comprada pro Brasil e não posso sair da Noruega com visto vencido, então tenho que receber o visto no passaporte antes da viagem, em agosto. A policial me deu boas esperanças de que o visto sairá bem antes de agosto. Ela me explicou que este é meu último visto, que depois de tê-lo obtido eu precisarei somente me apresentar na polícia ano sim ano não para declarar que eu continuo morando na Noruega e se eu quiser posso dar entrada no pedido de cidadania a partir de dezembro deste ano. Ela também me disse, contrariando o que alguns desinformados andaram espalhando por aí (=Orkut) é que a Noruega aceita, sim, dupla cidadania, mas só de pessoas estrangeiras. Eu posso ter passaporte brasileiro e norueguês por que sou brasileira e o Brasil aceita dupla cidadania. Já o meu marido, por exemplo, como é norueguês, perde seu passaporte norueguês se um dia pedir outra cidadania, por que a Noruega não aceita dupla cidadania de cidadãos nascidos na Noruega. Foi a policial mais simpática e atenciosa que eu encontrei até hoje, saímos de lá aliviados e otimistas.
Minha nada mole vida de imigrante – últimos capítulos

Minha nada mole vida de imigrante – últimos capítulos

Neste final de semana pintamos os ovos para a decoração da Páscoa. Em vez de comprar ovos de plástico já pintados, resolvemos tentar pintar os ovos nós mesmos. Apesar de ter sido um desafio esvaziar e higienizar as cascas de ovos, foi muito divertido. Mostramos um pouco nosso lado artístico e o resultado ficou excelente. Comprei um kit super prático para pintar ovos:

Aqui já tínhamos 3 ovos prontos. Detalhe para o ovo padre luterano do meu marido à direita:

Esse aqui ficou com um visual moderno, obra do marido:

E no final penduramos nossos ovos nos galhinhos, como eles costumam fazer por aqui:

Hoje, segunda-feira eu fui até a polícia daqui (perdi a hora, pois esqueci de acertar o relógio do celular para o horário de verão) para dar entrada no meu visto permanente. Depois do caos típico das minhas visitas à polícia – aglomeração na porta, policiais mal-educados, senhas mal-distribuídas e até um idiota que tentou roubar minha senha – eu fui atendida quase no final do expediente. Felizmente deu tudo certo, consegui entregar os papéis com muita antecedência (meu visto vence só em junho), a papelada estava certinha e meu marido foi comigo sem ter que perder um dia de trabalho, pois está de folga a semana inteira. Eu tenho passagem comprada pro Brasil em agosto e não posso sair da Noruega com visto vencido, então tenho que receber o visto no passaporte antes da viagem. A policial me deu boas esperanças de que o visto sairá bem antes de agosto. Ela me explicou que este é meu último visto, que depois de tê-lo obtido eu precisarei somente me apresentar na polícia ano sim ano não para declarar que eu continuo morando na Noruega e se eu quiser posso dar entrada no pedido de cidadania a partir de dezembro deste ano. Ela também me disse, contrariando o que alguns desinformados andaram espalhando por aí (=Orkut) que a Noruega aceita, sim, dupla cidadania, mas só de pessoas estrangeiras. Eu posso ter passaporte brasileiro e norueguês por que sou brasileira e o Brasil aceita dupla cidadania. Já o meu marido, por exemplo, como é norueguês, perde seu passaporte norueguês se um dia pedir outra cidadania, por que a Noruega não aceita dupla cidadania de cidadãos nascidos na Noruega. Foi a policial mais simpática e atenciosa que eu encontrei até hoje, saímos de lá aliviados e otimistas.

Comerciais legais

Comerciais legais

Há alguns comerciais noruegueses que são muito criativos e divertidos. Aqui estão dois exemplos. O primeiro é da indústria de frios Vossafår, que aborda a questão do imigrante e o ‘táxi pirata’ com muito bom humor. Para entender a mensagem do comercial é preciso saber que na Noruega, quando se sai para a ‘balada’ não se pode dirigir de jeito nenhum (a não ser que você esteja a fim de perder a carteira, pagar uma multa salgada e ir para a cadeia – tudo de uma vez). Sendo assim, quando o povo volta pra casa, tem que esperar os ônibus corujões, aqueles que passam uma vez só de madrugada, ou pegar um táxi, que além de serem caros são bem escassos, o que provoca fila de espera. E é aí que entra o táxi pirata. Os motoristas, na maioria imigrantes, se oferecem para levar as pessoas para casa por um preço mais em conta do que os táxis cadastrados. Este chofer da foto inovou ao dirigir um táxi pirata que na verdade é um «spark», um trenozinho para se locomover na neve.


O outro comercial parodia um ‘monstro sagrado’ do orgulho norueguês, o famoso e premiado vídeo clip do a-ha, Take On Me. Aqui não é preciso muita explicação se você viu o clip original é só rir com o Morten Harket um pouquinho diferente.



Comerciais legais

Comerciais legais

Há alguns comerciais noruegueses que são muito criativos e divertidos. Aqui estão dois exemplos. O primeiro é da indústria de frios Vossafår, que aborda a questão do imigrante e o ‘táxi pirata’ com muito bom humor. Para entender a mensagem do comercial é preciso saber que na Noruega, quando se sai para a ‘balada’ não se pode dirigir de jeito nenhum (a não ser que você esteja a fim de perder a carteira, pagar uma multa salgada e ir para a cadeia – tudo de uma vez). Sendo assim, quando o povo volta pra casa, tem que esperar os ônibus corujões, aqueles que passam uma vez só de madrugada, ou pegar um táxi, que além de serem caros são bem escassos, o que provoca fila de espera. E é aí que entra o táxi pirata. Os motoristas, na maioria imigrantes, se oferecem para levar as pessoas para casa por um preço mais em conta do que os táxis cadastrados. Este chofer da foto inovou ao dirigir um táxi pirata que na verdade é um «spark», um trenozinho para se locomover na neve.

Sushi à norueguesa

Sushi à norueguesa

Há tempos meu marido estava falando de me convidar para ir a um restaurante japonês aqui perto aonde ele foi com os amigos há alguns meses e neste final de semana que passou fomos, até que enfim, comemorar a venda da nossa casa decentemente neste restaurante. Primeiro, fomos ao cinema assistir a um filme norueguês chamado En ganske snill mann (Um homem bem gentil). O filme aborda a difícil situação de ex-presidiários que, ao sair da cadeia até tentam se endireitar e abandonar a vida do crime, mas o preconceito e a falta de oportunidades acabam empurrando-os de volta ao submundo. O mais interessante é que o filme tem muitos elementos cômicos, o que o deixa bem mais leve de ver, apesar de o problema social estar estampado o tempo todo na narrativa.

De lá fomos então ao restaurante. Começamos por saborear uma sopa de misô (o perfume da sopa acordou belas memórias do meu lado japonês) e depois um prato com diversos tipos de sushi e sashimi, preparado por sushimen 100% noruegueses. O wasabi (pasta mega apimentada feita de um rabanete japonês) estava forte de doer, nunca mais! O resto estava delicioso, tinha esquecido um pouco de como é comer com hashis, mas consegui terminar a refeição sem apelar pro garfo, apesar de alguns quase-acidentes:

Já o meu marido viking…

foi flagrado no final da refeição cometendo o pecado de comer com garfo num restaurante japonês, haha…que nada, aqui felizmente estamos livres daquelas frescuras ridículas do Brasil e outros lugares, ainda bem! Nos divertimos muito e tivemos uma experiência gastronômica inesquecível. Daqui a um tempo, quando o bolso deixar queremos voltar lá e experimentar outras iguarias.

Saindo de lá fomos a um pub e onde tocavam música ao vivo, muito boa por sinal. Quando voltamos para casa as ruas estavam fervendo de jovens indo pros barzinhos e danceterias da cidade. Trondheim, embora seja uma cidade relativamente pequena tem uma vida noturna até que razoável.

No domingo fomos dar uma volta pela cidade e achamos uma exposição gratuita mostrando descobertas arqueológicas que descrevem como era Trondheim na Era Medieval. Eu, como adoro museu, história e não nego, achei a exposição uma maravilha, principalmente por ser num domingo.

Agora faltam só três dias para o final de semana e aí teremos, eu e meu marido, férias de Páscoa do trabalho e da faculdade por 10 dias. Mal posso esperar!
Primavera abrindo alas

Primavera abrindo alas

Depois de semanas com o tempo assim:


e assim


esta semana a primavera começou a dar, timidamente, o ar de sua graça. Agora o dia clareia de verdade, sem aquela penumbra desanimadora típica do inverno. O sol, além de brilhar, começa a esquentar e bronzear e isso tudo contribui demais para a nossa disposição para acordar de manhã e ir trabalhar/estudar. Esta mudança de tempo mexe muito com o humor das pessoas, agora se vê muito mais gente na rua ao mesmo tempo, todo mundo quer sair e festejar a partida do inverno. Embora ainda faça frio e haja muito gelo e neve pelas ruas, percebe-se que aquela atmosfera pesada está sumindo. Por tudo isso, a música tema dessa semana não poderia ser outra:

Sushi à norueguesa

Sushi à norueguesa

Há tempos meu marido estava falando de me convidar para ir a um restaurante japonês aqui perto aonde ele foi com os amigos há alguns meses e neste final de semana que passou fomos, até que enfim, comemorar a venda da nossa casa decentemente neste restaurante. Primeiro, fomos ao cinema assistir a um filme norueguês chamado En ganske snill mann (Um homem bem gentil). O filme aborda a difícil situação de ex-presidiários que, ao sair da cadeia até tentam se endireitar e abandonar a vida do crime, mas o preconceito e a falta de oportunidades acabam empurrando-os de volta ao submundo. O mais interessante é que o filme tem muitos elementos cômicos, o que o deixa bem mais leve de ver, apesar de o problema social estar estampado o tempo todo na narrativa.

De lá fomos então ao restaurante. Começamos por saborear uma sopa de misô (o perfume da sopa acordou belas memórias do meu lado japonês) e depois um prato com diversos tipos de sushi e sashimi, preparado por sushimen 100% noruegueses. O wasabi (pasta mega apimentada feita de um rabanete japonês) estava forte de doer, nunca mais! O resto estava delicioso, tinha esquecido um pouco de como é comer com hashis, mas consegui terminar a refeição sem apelar pro garfo, apesar de alguns quase-acidentes:

Já o meu marido viking…

foi flagrado no final da refeição cometendo o pecado de comer com garfo num restaurante japonês, haha…que nada, aqui felizmente estamos livres daquelas frescuras ridículas do Brasil e outros lugares, ainda bem! Nos divertimos muito e tivemos uma experiência gastronômica inesquecível. Daqui a um tempo, quando o bolso deixar queremos voltar lá e experimentar outras iguarias.

Saindo de lá fomos a um pub e onde tocavam música ao vivo, muito boa por sinal. Quando voltamos para casa as ruas estavam fervendo de jovens indo pros barzinhos e danceterias da cidade. Trondheim, embora seja uma cidade relativamente pequena tem uma vida noturna até que razoável.

No domingo fomos dar uma volta pela cidade e achamos uma exposição gratuita mostrando descobertas arqueológicas que descrevem como era Trondheim na Era Medieval. Eu, como adoro museu, história e não nego, achei a exposição uma maravilha, principalmente por ser num domingo.

Agora faltam só três dias para o final de semana e aí teremos, eu e meu marido, férias de Páscoa do trabalho e da faculdade por 10 dias. Mal posso esperar!

Primavera abrindo alas

Primavera abrindo alas

Depois de semanas com o tempo assim:

e assim

esta semana a primavera começou a dar, timidamente, o ar de sua graça. Agora o dia clareia de verdade, sem aquela penumbra desanimadora típica do inverno. O sol, além de brilhar, começa a esquentar e bronzear e isso tudo contribui demais para a nossa disposição para acordar de manhã e ir trabalhar/estudar. Esta mudança de tempo mexe muito com o humor das pessoas, agora se vê muito mais gente na rua ao mesmo tempo, todo mundo quer sair e festejar a partida do inverno. Embora ainda faça frio e haja muito gelo e neve pelas ruas, percebe-se que aquela atmosfera pesada está sumindo. Por tudo isso, a música tema dessa semana não poderia ser outra:

Assuntos acumulados

Assuntos acumulados

Eu deveria ter escrito uma postagem há alguns dias, mas a correria combinada à falta de inspiração para escrever fez com que os acontecimentos se acumulassem feito uma bola de neve. Falando em bola de neve, aqui em Trondheim a neve voltou com força total. Não pára de nevar há pelo menos quatro dias, está tudo branquinho! Por incrível que pareça, a temperatura não precisa estar baixíssima para se nevar. Então, agora faz um frio ameno – entre 0 e 2 graus positivos, e neva, neva e neva.

Na quinta-feira em Frøya houve um show organizado por um movimento chamado Motcoragem em norueguês). Eles trabalham com adolescentes e tentam conscientizá-los da importância de se fazer as escolhas certas e dizer não. Acho a mensagem deles super válida. O que eu não esperava era que o tal do concerto tivesse um nível tão profissional, com artistas de primeira e artistas locais. Até alguns dos meus alunos participaram, enfim, foi um show bem além das minhas expectativas.
Depois das aulas, os funcionários da escola foram assistir a uma palestra com o fundador desse movimento, um ex-patinador no gelo muito conhecido por aqui. Ele falou algumas coisas muito interessantes, valeu a pena.

Me instalei no quartinho que eu aluguei e preciso só de mais algumas coisinhas para deixar o quarto com a minha cara. Não quero começar a decorá-lo com muitas tranqueirinhas por que quando eu sair de lá vou ter que carregar tudo sozinha de volta para casa.

No final de semana, completamente por acaso, visitamos um museu aqui em Trondheim chamado «Ringve», um museu dedicado à musica. A entrada era gratuita e vimos uma coleção riquíssima de instrumentos musicais antiquíssimos e de todo o mundo. Ficamos super felizes por ter ido lá no domingo, pois, além de ser um dia tipicamente tedioso, nevava sem parar.

Ainda no domingo fomos ver um sofá usado que estava à venda, mas infelizmente não achamos que ficaria bom na nossa sala. Depois de ver muitos sofás usados, resolvemos comprar um novo mesmo e ontem fomos à Meca dos móveis baratos e de qualidade razoavelmente boa, a megaloja sueca Ikea. Gostamos de um modelo, mas como o preço estava um pouco salgado, decidimos pensar mais um pouco. Indo em direção à saída da loja, fomos dar uma olhadinha no billigkroken, lugar onde eles vendem artigos de mostruário ou com pequenos defeitos a descontos enormes. E não é que para nossa surpresa lá estava um sofá igualzinho ao que a gente queria pela metade do preço? Nós examinamos o sofá minuciosamente e não achamos nenhum defeito aparente, então resolvemos comprá-lo. Depois de carregar o sofá até o caixa, emprestar uma carreta da loja, dirigir com o sofá até nosso prédio e subir 5 andares de escada com ele, agora ele está bonitinho aqui na nossa sala. Nunca tive uma sorte dessas, espero que se repita mais e mais. (
Assuntos acumulados

Assuntos acumulados

Eu deveria ter escrito uma postagem há alguns dias, mas a correria combinada à falta de inspiração para escrever fez com que os acontecimentos se acumulassem feito uma bola de neve. Falando em bola de neve, aqui em Trondheim a neve voltou com força total. Não pára de nevar há pelo menos quatro dias, está tudo branquinho! Por incrível que pareça, a temperatura não precisa estar baixíssima para se nevar. Então, agora faz um frio ameno – entre 0 e 2 graus positivos, e neva, neva e neva.

Na quinta-feira em Frøya houve um show organizado por um movimento chamado Mot (coragem em norueguês). Eles trabalham com adolescentes e tentam conscientizá-los da importância de se fazer as escolhas certas e dizer não. Acho a mensagem deles super válida. O que eu não esperava era que o tal do concerto tivesse um nível tão profissional, com artistas de primeira e artistas locais. Até alguns dos meus alunos participaram, enfim, foi um show bem além das minhas expectativas.
Depois das aulas, os funcionários da escola foram assistir a uma palestra com o fundador desse movimento, um ex-patinador no gelo muito conhecido por aqui. Ele falou algumas coisas muito interessantes, valeu a pena.

Me instalei no quartinho que eu aluguei e preciso só de mais algumas coisinhas para deixar o quarto com a minha cara. Não quero começar a decorá-lo com muitas tranqueirinhas por que quando eu sair de lá vou ter que carregar tudo sozinha de volta para casa.

No final de semana, completamente por acaso, visitamos um museu aqui em Trondheim chamado «Ringve», um museu dedicado à musica. A entrada era gratuita e vimos uma coleção riquíssima de instrumentos musicais antiquíssimos e de todo o mundo. Ficamos super felizes por ter ido lá no domingo, pois, além de ser um dia tipicamente tedioso, nevava sem parar.

Ainda no domingo fomos ver um sofá usado que estava à venda, mas infelizmente não achamos que ficaria bom na nossa sala. Depois de ver muitos sofás usados, resolvemos comprar um novo mesmo e ontem fomos à Meca dos móveis baratos e de qualidade razoavelmente boa, a megaloja sueca Ikea. Gostamos de um modelo, mas como o preço estava um pouco salgado, decidimos pensar mais um pouco. Indo em direção à saída da loja, fomos dar uma olhadinha no billigkroken, lugar onde eles vendem artigos de mostruário ou com pequenos defeitos a descontos enormes. E não é que para nossa surpresa lá estava um sofá igualzinho ao que a gente queria pela metade do preço? Nós examinamos o sofá minuciosamente e não achamos nenhum defeito aparente, então resolvemos comprá-lo. Depois de carregar o sofá até o caixa, emprestar uma carreta da loja, dirigir com o sofá até nosso prédio e subir 5 andares de escada com ele (na Noruega não tem entrega à domicílio como as Casas Bahia, não!), agora ele está bonitinho aqui na nossa sala. Nunca tive uma sorte dessas, espero que se repita mais e mais.