Måned: april 2010

Companheiros de viagem

Companheiros de viagem

Passados os feriados de Páscoa, na quarta-feira dia 7 de abril às 16hs 30 min tive que pegar o barco para Frøya, pois à partir daquela semana comecei a lecionar 6 aulas na quinta e 6 na sexta (antes eram 2 na quinta e 4 na sexta) e por isso teria que estar em Frøya na quarta. No caminho, o capitão avisa que um enorme grupo de baleias estava cercando o barco! Todos saíram no deck para ver, e logo avistamos as baleias que mergulhavam e subiam à superfície sincronizadamente, por todos os lados. Para ver uma vídeo-reportagem do jornal local sobre o acontecimento, clique aqui.

Estava um pouco nervosa por ter que lecionar dois dias, mas felizmente deu tudo certo. Além do trabalho, tive também que me preparar para duas provas orais de espanhol. Em uma delas, fiz um vídeo onde eu falei sobre a emigração espanhola e as migrações internas do país. Eu tive que fazer o vídeo por que não poderia estar presente nos dias da apresentação, quinta e sexta. Na quarta-feira passada tive mais uma prova, e já sei que fui aprovada. A professora ainda não me falou nada sobre o vídeo, então tenho que esperar. Agora restam duas provas orais. Uma sobre um conto escrito pelo mexicano Juan Rulfo e outra sobre um livro chamado Caperucita em Manhattan.

Felizmente as aulas na faculdade acabam em duas semanas e aí vou ter mais tempo para me preparar para as provas e trabalhar. Agora estou me decidindo sobre qual curso fazer no semestre que vem. Me faltam míseros 45 créditos para poder fazer Ensino Prático Pedagógico ano que vem. Estava pensando em um ano de ciências sociais, bacharelado em inglês ou um ano de norueguês, mas aí minha professora de espanhol me disse que eu tenho que continuar com o espanhol, fazer um bacharelado. O problema é que não tem bacharelado em espanhol em Trondheim, então teria que me matricular na Universidade de Oslo e fazer o curso à distância. Tenho até dia 1 de julho para me decidir.

Páscoa

Páscoa

Fazia tempo que eu não aparecia por aqui. Isto se deve à avalanche de coisas que eu tive, e ainda tenho que fazer depois do feriadão de Páscoa.

Na quinta-feira Santa (Skjærtorsdag aqui), fomos para o chalé dos meus sogros, que fica num município chamado Selbu. Eu não gosto muito de ir pra lá no inverno porque o acesso é horrível. Depois de dirigir uma hora e meia, tivemos que alugar um snow mobile para subir a montanha por quase meia hora, e ainda subir um trecho a pé, porque o snow mobile não sobe. Dá para ter uma noção de como o chalé é isolado. Já no verão, o carro chega mais perto do chalé e o terreno é mais fácil de se percorrer para quem não esquia, por isso eu prefiro ir no verão.

Eu tinha resolvido não sair muito do chalé desta vez, por que queria descansar e armazenar energia para os trabalhos de faculdade que teria de fazer depois da Páscoa. Além disso, os passeios que a família do meu marido costuma fazer são muito puxados para quem não esquia e não está acostumado. Levei um livro e fiquei boa parte do tempo sozinha no chalé relaxando. Eu levei meus esquis e tinha pensado em treinar um pouquinho, mas a neve estava muito dura, quase gelo, então um tombo poderia significar hematomas doloridos. Deixei o treino para a próxima.Um dia, na volta de um desses passeios, eu e o Morten servimos caipirinhas para o povo como drink de After Ski (tipo de happy hour que eles tem depois de ter esquiado o dia todo). Foi um sucesso, todo mundo queria saber depois se vende cachaça no Vinmonopolet (rede de lojas estatais que vende bebidas destiladas). Algumas fotos:


Na sexta-feira santa (Langfredag), todo mundo participou de um quiz feito pelos meus cunhados. Eu e o Morten ganhamos, e recebemos medalhas de chocolate como prêmio:

No sábado de Aleluia voltamos para casa e passamos o restinho de Páscoa aqui. No domingo de Páscoa assisti a dois filmes maravilhosos. Um chama-se «Da jeg traff Jesus…med sprettert!» (Quando eu acertei Jesus com um estilingue!). Trata-se de uma comédia que conta a infância de Odd Borretzen, um velhinho simpático que faz umas músicas bem interessantes. O outro filme que eu vi chama-se «Herman» e esse filme eu esperei um tempão para poder ver. Em 2000, durante uma viagem de férias a Fortaleza (quando eu nem sequer imaginava que viria parar na Noruega), vi um trecho desse filme num canal à cabo e percebi que era norueguês (bandeirinha do país), mas sem entender bulufas do idioma. Conta o drama de um garoto que começa a perder os cabelos nos anos 60 em Oslo.

Depois da folga, começaram as preocupações com escola e trabalho…
Páscoa

Páscoa

Fazia tempo que eu não aparecia por aqui. Isto se deve à avalanche de coisas que eu tive, e ainda tenho que fazer depois do feriadão de Páscoa.

Na quinta-feira Santa (Skjærtorsdag aqui), fomos para o chalé dos meus sogros, que fica num município chamado Selbu. Eu não gosto muito de ir pra lá no inverno porque o acesso é horrível. Depois de dirigir uma hora e meia, tivemos que alugar um snow mobile para subir a montanha por quase meia hora, e ainda subir um trecho a pé, porque o snow mobile não sobe. Dá para ter uma noção de como o chalé é isolado. Já no verão, o carro chega mais perto do chalé e o terreno é mais fácil de se percorrer para quem não esquia, por isso eu prefiro ir no verão.

Eu tinha resolvido não sair muito do chalé desta vez, por que queria descansar e armazenar energia para os trabalhos de faculdade que teria de fazer depois da Páscoa. Além disso, os passeios que a família do meu marido costuma fazer são muito puxados para quem não esquia e não está acostumado. Levei um livro e fiquei boa parte do tempo sozinha no chalé relaxando. Eu levei meus esquis e tinha pensado em treinar um pouquinho, mas a neve estava muito dura, quase gelo, então um tombo poderia significar hematomas doloridos. Deixei o treino para a próxima.Um dia, na volta de um desses passeios, eu e o Morten servimos caipirinhas para o povo como drink de After Ski (tipo de happy hour que eles tem depois de ter esquiado o dia todo). Foi um sucesso, todo mundo queria saber depois se vende cachaça no Vinmonopolet (rede de lojas estatais que vende bebidas destiladas). Algumas fotos:

Na sexta-feira santa (Langfredag), todo mundo participou de um quiz feito pelos meus cunhados. Eu e o Morten ganhamos, e recebemos medalhas de chocolate como prêmio:

No sábado de Aleluia voltamos para casa e passamos o restinho de Páscoa aqui. No domingo de Páscoa assisti a dois filmes maravilhosos. Um chama-se «Da jeg traff Jesus…med sprettert!» (Quando eu acertei Jesus com um estilingue!). Trata-se de uma comédia que conta a infância de Odd Borretzen, um velhinho simpático que faz umas músicas bem interessantes. O outro filme que eu vi chama-se «Herman» e esse filme eu esperei um tempão para poder ver. Em 2000, durante uma viagem de férias a Fortaleza (quando eu nem sequer imaginava que viria parar na Noruega), vi um trecho desse filme num canal à cabo e percebi que era norueguês (bandeirinha do país), mas sem entender bulufas do idioma. Conta o drama de um garoto que começa a perder os cabelos nos anos 60 em Oslo.

Depois da folga, começaram as preocupações com escola e trabalho…

O cuco

O cuco

Na televisão, a imagem de um cuco, o pássaro com um canto que, de tão especial, serviu de inspiração para a fabricação de um relógio de tempos idos.

– Eu já vi um desses – ele diz.
– É mesmo? – ela reage, impressionada – Não há uma história que diz que quem consegue ficar embaixo da árvore onde o cuco canta pode fazer um pedido? – ela pergunta.
– Sim, é verdade.
– E tu fizeste um pedido?
– Fiz.
– O que tu pediste?
– Eu pedi por ti.
– Mas, tu nem sequer me conhecias!
– Eu pedi por ti mesmo assim…

Abril de 2010.
Dos cuerpos – Octavio Paz

Dos cuerpos – Octavio Paz

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos olas
y la noche es océano.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos piedras
y la noche desierto.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces raíces
en la noche enlazadas.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces navajas
y la noche relámpago.

Dos cuerpos frente a frente
son dos astros que caen
en un cielo vacío.

Dos cuerpos – Octavio Paz

Dos cuerpos – Octavio Paz

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos olas
y la noche es océano.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces dos piedras
y la noche desierto.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces raíces
en la noche enlazadas.

Dos cuerpos frente a frente
son a veces navajas
y la noche relámpago.

Dos cuerpos frente a frente
son dos astros que caen
en un cielo vacío.