Måned: juli 2014

Boletim das férias III

Boletim das férias III

Vista do fiorde no sítio onde a vovó cresceu
O verão aqui na minha região continua fazendo noruegueses e estrangeiros felizes e para completar a felicidade, semana passada meu marido entrou de férias. É muito diferente estar de férias sozinha e estar de férias junto com ele. Agora que não dependemos mais de ônibus e caronas, podemos planejar passeios para lugares mais distantes e foi isso que fizemos. Na terça-feira fomos fazer um passeio ao lugar onde a avó do Morten cresceu, um fiorde chamado Verrafjorden. Eu sempre quis conhecer esse lugar e valeu muito a pena. Após cerca de duas horas de viagem saindo de Trondheim, nos deparamos com paisagens incríveis.
O fiorde visto de outro ângulo
Uma plantação de morangos
Depois de muito bate-papo com a família e um lanche bem reforçado debaixo do sol escaldante, pegamos o rumo de volta para Trondheim. Eu e o Morten havíamos combinado de parar para comprar morangos caso víssemos alguém vendendo a um preço camarada na beira da estrada. Encontramos algo ainda melhor – um sítio cujos proprietários deixavam o próprio freguês colher os morangos, a 30 coroas (mais ou menos 10 reais) o quilo. Precavidos como somos, tínhamos uma bacia de plástico no porta-malas e tratamos de ir colher morangos. Eu nunca havia feito isso na vida e foi uma experiência muito divertida para mim. Depois de quase 3 horas colhendo morangos, saímos de lá com quase 10 quilos. Com os morangos fizemos muita geleia que congelamos na mesma noite. Temos um bom estoque que deve durar pelo menos até o próximo verão. 
Uma amostra da nossa colheita


Uma rena pastando na ida para o chalé
Uma molte antes de ser colhida e virar geleia
No dia seguinte, quarta-feira, empacotamos nossas mochilas e seguimos para o chalé da família, que fica nas montanhas de um município chamado Selbu. O lugar é muito isolado, pois não há vizinhos, televisão nem internet. Apreciamos o silêncio total, encontramos alguns animais na floresta, o Morten tentou pescar trutas no lago sem sucesso e colhemos quase 8 quilos de uma frutinha silvestre chamada multe. Na sexta-feira eu fiquei tão empolgada colhendo multe que fui parar bem longe do chalé, mas felizmente consegui encontrar o caminho de volta.



Dá um pouco de trabalho colher multer, por que tivemos que retirar pequenas folhas e outras impurezas das frutinhas com uma pinça, depois fervê-las e guardá-las em um lugar refrigerado. Ao chegar em casa misturamos com açúcar e embalamos a geleia em potes. Esta frutinha é muito apreciada pelos noruegueses e, segundo o Morten, ele nunca antes havia visto tanta multe na floresta como este ano. No Natal muitas famílias servem uma sobremesa chamada Multekrem, que é a geleia de multe misturada com chantilly. Muito bom!
Enquanto procurava o caminho para o chalé me deparei com

esse rio de águas cristalinas



Uma noite vimos outra rena perto do chalé, desta vez branquinha. E às 4 hs da madrugada de sábado para domingo, escutamos um barulho debaixo da janela do nosso quarto. Quando fomos ver o que era, nos deparamos com duas outras renas que pararam no chalé para pastar. Infelizmente não tiramos foto dos visitantes, pois ficamos com medo de espantá-las com o barulho. Para completar o «safári», ainda vimos um alce fêmea com seu filhote na estrada a caminho de Trondheim.  Fazia muito tempo que havíamos visitado o chalé e tivemos muita sorte tanto com o tempo, com a abundância de frutinhas e com o tanto de animais que vimos na floresta.


Uma rena branca pastando a 150 metros do chalé
Infelizmente, quando chegamos em casa no domingo tivemos uma surpresa muito desagradável: alguém entrou no porão do prédio por uma janela destrancada e arrombou nosso depósito com um pé-de-cabra. Roubaram algumas ferramentas do Morten, sua bicicleta e outras coisas de menor valor. Hoje o Morten já foi até a polícia prestar queixa e colocou uma nova fechadura mais reforçada na porta do nosso depósito. Nesta época de verão os gatunos se aproveitam do fato de muitos estarem fora de casa por causa das férias e praticam pequenos furtos. Todo cuidado é pouco!


Hoje estamos fazendo uma pausa e amanhã seguiremos viagem para outro destino. Temos somente duas semanas de férias restantes e queremos ficar em casa na última semana. A previsão do tempo é boa para os próximos dias é boa e esperamos desfrutar de nossa última viagem nessas férias de um verão até agora memorável.
O país onde (quase) todo mundo confia em (quase) todo mundo

O país onde (quase) todo mundo confia em (quase) todo mundo

Conforme escrevi na postagem anterior, estávamos procurando um carro para comprar e ontem nos decidimos e concretizamos a compra. No final de semana passado fizemos um test drive e no começo da semana testamos outro carro parecido, só que de outra marca. Depois de muita pesquisa, optamos pelo carro que testamos no final de semana. Como queremos que o carro venha com acessórios extras, não pudemos sair da concessionária com nosso carro ontem mesmo, pois eles precisavam de tempo para instalar tudo que pedimos. Mas, isso não nos impediu de sair de lá com um carro emprestado por eles. Eu nunca comprei carro no Brasil, então não sei se as concessionárias fazem isso lá também, mas eu fiquei impressionada com a confiança que as pessoas têm umas nas outras. Não foi preciso deixar documento de identidade na concessionária como garantia de que não desapareceríamos com o carro emprestado, nada de pagamento, só confiança. Nas lojas podemos nos arrepender de algo que compramos e devolver, com a condição de que o produto possa ser colocado à venda novamente. E, se não quisermos trocar por nada da loja, não há problema – eles devolvem o dinheiro, sem resmungar.

Muitas lojas e supermercados grandes implantaram o sistema de caixa self-service. Nós mesmos escaneamos os produtos e efetuamos o pagamento sem a supervisão de um funcionário da loja. Sempre há um funcionário por perto, mas ele não está lá para fiscalizar se estamos tentando roubar produtos, mas para nos ajudar se tivermos algum problema durante o pagamento. Este sistema é extremamente eficaz por que reduz as filas entendiantes para pagar.
Como escrevi antes, os ônibus daqui não têm cobrador. Mas, nem por isso é obrigatório passar pela fiscalização do motorista para pagar. Eles abrem a porta traseira do ônibus para quem quiser embarcar, e lá há um leitor de cartão. Os que não têm cartão têm que, claro, passar pelo motorista.
Nos postos de gasolina, nós mesmos operamos as bombas e abastecemos o veículo. Podemos pagar com cartão nas máquinas automáticas ou ir até o quiosque e pagar a um funcionário. Claro que eles têm uma câmera que filma quem eventualmente abastecer e sair sem pagar, mas o fato de esse sistema ainda perdurar significa que a incidência de pessoas que agem de má fé é mínima.
Há quem diga que os noruegueses de um modo geral são facilmente enganados por confiarem tanto nas pessoas. Há até um termo, dumsnill (bonzinho bobo). Mas, há também quem diga que é exatamente esta atitude de confiar nos outros em vez de desconfiar dos outros até que se prove o contrário é que faz com que a sociedade aqui seja tão avançada e justa. Vou postar mais exemplos à medida que for me lembrando.
Boletim das férias II

Boletim das férias II

Este está sendo, sem sombra de dúvidas, o melhor verão que presenciei desde minha mudança para cá em 2006. Nunca houve tantos dias quentes e ensolarados seguidos. Estamos, claro, nos sentindo sortudos por não termos viajado para o exterior desta vez.

Infelizmente o Brasil não passou da Alemanha, que se consagrou campeã do mundo pela quarta vez. Não sofri nenhum tipo de gozação por parte dos noruegueses. Eles mostraram solidariedade pela derrota e perguntaram até se eu estava bem. Muito civilizado da parte deles.

Desde que voltamos do Brasil em dezembro, estamos sem carro. Como moramos no centro da cidade, perto de praticamente tudo, decidimos esperar para comprar um carro até agora. Já escolhemos o modelo que queremos e esperamos que em breve estejamos motorizados novamente. Dentro de uma semana meu marido terá três semanas de férias e pretendemos passear de carro pela Noruega. Prometo fotos caso o passeio se concretize.

Aproveitando o tema, quero contar um pouco sobre o sistema de ônibus aqui de Trondheim. Não lembro se escrevi isso em outra postagem, mas vou escrever mesmo assim.

1. Você sabe mais ou menos com exatidão quando o ônibus vai passar. As tabelas de horários estão disponíveis para os usuários no ponto do ônibus, em pequenos livrinhos que são distribuídos nos ônibus, na internet e em apps. Este é um exemplo de uma tabela de horário:

Podemos ver os horários em que o ônibus parte do ponto final, além do horário estimado para a parada em cada ponto. Em dias úteis, sábados e domingos.

Como nem sempre o ônibus passa exatamente no horário impresso na tabela, há monitores na maioria dos pontos que são atualizados minuto a minuto e mostram dentro de quantos minutos ele vai passar:

Dentro dos ônibus também há monitores que exibem os três pontos seguintes a cada parada e cada ponto é anunciado por autofalantes em uma gravação. Na foto podemos ver o monitor na parte superior:

2. O pagamento da passagem parece muito com o sistema de São Paulo. Podemos pagar com dinheiro ao motorista (não existe cobrador), com cartão de transporte devidamente carregado com créditos ou pela internet ou por máquinas espalhadas pela cidade e pelo aplicativo Mobillett. Eu estou usando o aplicativo agora que estou de férias. Quando estou trabalhando eu costumo carregar créditos por período, geralmente por um mês, o que me dá direito de andar de ônibus, bonde e barco sem limites por Trondheim e municípios adjacentes. Temos que colocar créditos na nossa conta do aplicativo e podemos comprar a passagem pelo celular, que mostramos ao motorista ao subir à bordo. Geralmente podemos reutilizar a passagem dentro de até 1 hora e meia. Aqui uma foto do aplicativo:

Como podemos ver, a passagem custa 22,50 coroas norueguesas, o que equivale aproximadamente a 7 reais. Compensa usar o aplicativo ou cartão de recarga, por que a passagem paga com dinheiro ao motorista custa 50 coroas, algo equivalente a cerca de 17 reais!

Eu estou muito satisfeita com o sistema de transporte de Trondheim. Claro que nem sempre ele funciona como deveria, mas de um modo geral ele é muito eficiente.

Boletim das férias I

Boletim das férias I

Vista do rio Nid que banha Trondheim,
ontem durante a caminhada
O tempo na minha região nos últimos dias tem estado maravilhoso. Temperaturas altíssimas e um sol escaldante nos fazem querer passar o tempo todo fora de casa. Felizmente temos um terraço no prédio e desde sábado temos feito churrasco para o jantar todos os dias. Não lembro de ter feito isso antes nos meus quase oito anos de Noruega. Este verão para mim é ou o segundo melhor (atrás do verão de 2008) ou o melhor que vivenciei até agora por essas bandas. Que venham mais dias ensolarados!
Churrasco no terraço sábado 5 de julho

O fato de eu estar em casa me dá a oportunidade de executar muitos afazeres que estavam pendentes. Semana passada fiz uma faxina geral nos armários e doei muitas coisas para o Exército da Salvação, que tem  brechós chamados Fretex em toda a Noruega. Anunciei alguns móveis e objetos de decoração para vender no site finn.no e espero desocupar espaço no nosso depósito no porão. Agora quero começar a me livrar dos papéis que acumulei durante os meus seis anos de faculdade. Não posso, claro, simplesmente jogar tudo fora, mas vou escanear o que me interessa e armazenar tudo em formato digital. Isso desocupará muito espaço nas estantes de livros!

Eu havia escrito há algum tempo que a greve de professores havia sido suspensa, mas eu acho que me precipitei. Os membros do sindicato dos professores participaram de uma votação para decidir se aprovavam ou não o acordo e dia 25 de junho saiu o resultado: o acordo não foi aceito pela maioria dos professores! Isso significa que estamos sem acordo e que podemos iniciar o ano letivo em greve! Como estou de férias não quero me preocupar com isso ainda, mas estou acompanhando o desenrolar da situação.
Com tanto tempo livre, ando assistindo a alguns vlogs no You Tube, principalmente de brasileiros que moram no Japão. Tenho ascendência 50% japonesa e cheguei a cogitar a ideia de ir trabalhar no Japão quando ir parar na Noruega ainda era algo completamente desconhecido para mim. Enfim, os vlogueiros mostram tantos lugares interessantes e contam muito sobre o dia-a-dia no país. Fiquei inspirada para fazer o mesmo daqui da Noruega. Mas, penso na super-exposição que um vlog acarreta, então estou ainda pensando na possibilidade. Eu amo filmar, mais do que fotografar, por isso acho que seria uma experiência legal para mim.
Hoje tem jogo do Brasil nas semifinais da Copa. Será que ganharão?