Kategori: Faculdade de espanhol

Nem tudo é só estresse

Nem tudo é só estresse

Como a postagem anterior ficou muito longa, resolvi escrever uma nova para contar o que mais anda acontecendo por aqui além da agonia do visto, que teve um final feliz.

Há alguns meses, passeando por um brechó achei um vestido de festa lindo e resolvi comprá-lo. Teremos um casamento em outubro e eu ia comprar o vestido no Brasil, mas quando vi esse vestido que comprei, me apaixonei. Ele não é exatamente do meu tamanho, então juntei muita força de vontade e comecei a treinar e fazer um regime. Estou indo bem, já consigo fazer longas caminhadas e até estou correndo algumas vezes. Vamos ver o que vai acontecer em outubro, se o vestido entra ou não entra.

Semana passada uma amiga nossa que trabalha de guia na catedral de Nidaros nos convidou para visitar a catedral e ela seria nossa guia particular. Adoramos, ela contou histórias interessantíssimas e para terminar ainda subimos em uma das torres da catedral. Me senti num filme de terror, pois a escadinha era muito estreita e em formato de caracol e a torre era altíssima. Não recomendaria esse passeio para claustrofóbicos. De lá de cima tivemos uma vista maravilhosa de Trondheim.

Nesse final de semana que passou fomos num chalé visitar nossos padrinhos de casamento e a filhinha deles. O tempo não ajudou, mas conseguimos relaxar e nos divertir.

Recebi todas as minhas notas: Foram três A e um B – estou muito satisfeita e, porque não, orgulhosa de mim mesma. Já estou comprando alguns livros usados do curso de Ciências Sociais e estou percebendo que não vou sentir falta de leitura. São livros gigantes.

Hoje tive uma surpresa. Uma amiga me avisou que uma foto minha estava no site da NTNU, na página do curso de espanhol. Eu lembro que um fotógrafo havia tirado fotos nossas durante uma aula há alguns meses, mas eu nunca imaginei que eu estaria na foto do site. Para ver a página, clique aqui.

MC Cow

MC Cow

Encerrei minha curta passagem pela escola em Frøya – não vou mais precisar viajar para lá toda semana. Recebi duas das quatro notas das provas de espanhol – Dois reluzentes «A»! O tempo aqui está um horror, só chove, então para comemorar as boas notas e espantar a chuva, vou postar um comercial de chocolate daqui que parodia um dos maiores hits dos anos 90, «You Can’t Touch This», de MC Hammer:

Está quase acabando!

Está quase acabando!

Há três dias da minha última prova na faculdade, 10 dias do meu último dia de trabalho em Frøya e dois meses da minha viagem ao Brasil (se meu visto sair a tempo – eu e meu marido estamos trabalhando no caso) arrumei um tempinho para dar uma passadinha aqui e escrever as últimas novidades. A maior delas é que já tenho garantido um emprego para depois das férias! 😀 Estive em uma entrevista um tempinho atrás e há algumas semanas recebi a resposta, vou dar aula de espanhol em uma escola não muito longe daqui, isto é, chega de viagens de barco e pernoites longe de casa. O emprego não é período integral e isso é ótimo, pois assim vou poder me dedicar à minha nova empreitada no mundo acadêmico: vou estudar ciências sociais, um ano, para poder dar aula de «samfunnsfag» (história, geografia, educação moral e cívica, etc.). Assim vou estar apta para lecionar três disciplinas, e isso aumenta as chances de empregos de período integral.

Semana passada fui a Frøya fazer proval oral de inglês junto com uma professora de outra escola, que foi a «sensor» (tipo uma juíza, ou uma pessoa neutra que discute a nota de cada aluno com a professora). Estava nervosa por causa da responsabilidade, mas no final deu tudo certo e eu aprendi como funciona esse processo de provas orais.

Há mais algumas semanas atrás ainda eu e o Morten fomos jantar com uma colega de faculdade minha que morou no Brasil por três anos e lá conheceu seu marido, ninguém mais ninguém menos que o primo do sobrinho de uma amigona que eu tenho no Brasil! O mundo é ou não é pequeno? Nós ficamos sabendo da tremenda coincidência quando ela me disse que o marido era de Brodósqui e quando eles estiveram lá ouviram falar de outra brasileira que tinha ido de mala e cuia para Frøya – só podia ter sido eu, pois estive em Brodósqui algumas vezes antes de vir pra cá.

A Copa está pra começar e a Noruega infelizmente não vai participar. Domingo passado o canal estatal daqui transmitiu o célebre jogo da copa de 1998 entre Noruega e Brasil, em que a Noruega ganhou. Detalhe, eles passaram o jogo na íntegra! Cada vez mais eu percebo como isso foi um acontecimento enorme para eles.

O Eurovision Song Contest em que a Noruega foi anfitriã foi um espetáculo excelente na minha opinião. Bem mais simples que a festa do ano passado realizada na Rússia, mas de maneira nenhuma menos especial. Uma falha da segurança permitiu que um espanhol torcedor do Barcelona (chamado de ‘culé’, aprendi na facul) invadisse o palco quando o Daniel Diges cantava a música da Espanha. A Espanha teve então direito de se apresentar de novo. A Alemanha acabou ganhando merecidamente, como eu suspeitava. Agora, o espetáculo maior foi o número de dança (inspirado no vídeo ‘Where the hell is Matt?‘) que uniu o público de quase todos os países europeus, as princesas da Noruega e até um solitário norueguês no meio do Mar do Norte. Aqui está o vídeo:

Deve haver mais um monte de pequenas novidades pairando por aí, mas quem disse que eu lembro? Agora tenho que voltar para as gramáticas, pragmáticas e análises sintáticas espanholas.

Notícias em meio à correria

Notícias em meio à correria

Como eu já havia previsto, o período pós-Páscoa está sendo um tremendo caos para mim. Na escola onde trabalho estou sempre com provas e trabalhos para corrigir e na faculdade quem tem que entregar trabalhos e fazer provas sou eu. Felizmente, fiz todas as quatro provas orais de espanhol e estou satisfeita com os resultados, principalmente o A que tirei na prova mais difícil.

Se já não bastasse tanta coisa pra fazer, pra completar tivemos um evento social aqui em casa. Ainda não tínhamos tido a oportunidade de convidar a família do meu marido para vir conhecer o apartamento e comemorar o aniversário dele, o meu (adiantado), a venda de casa, etc. Ele me pediu para servir salgadinhos e doces brasileiros e lá fui eu para a cozinha tentar completar mais essa missão quase impossível. Fiz pastel de carne, coxinha de frango, bolinhos de bacalhau, pudim de leite condensado (achei num supermercado na Suécia, chama-se Rainbow e é igualzinho ao Leite Moça) e brigadeiro (feito com o Rainbow também) enquanto o Morten serviu caipirinha em pequenos copinhos. Estava super apreensiva por não saber se ia dar certo, já pensou servir comida para 12 pessoas e dar tudo errado? Mas, felizmente eles lamberam os beiços e fizeram comentários muito fofos. O avô do Morten disse que foi muito especial experimentar algo do Brasil e que foi como se ele tivesse viajado para lá. Minha sogra e as duas avós já queriam as receitas, enfim, sucesso total. Acho que o povo estava meio enjoado de comer sempre as mesmas coisas nessas festas de família, então eles amaram comer algo diferente.

Ah, como eu disse lá em cima, comprei leite condensado na Suécia. Num sábado pegamos um ônibus de viagem que leva a gente para um supermercado na fronteira. Compramos muita carne, que custa muito menos do lado de lá e ainda por cima é de qualidade superior. Ainda achamos o Leite Arco-Íris (Rainbow, meu mais novo substituto do Leite Moça), queijos e pós-de-café diferentes. Pensamos que teríamos que pagar 25 coroas (cerca de 8 reais) pela viagem, mas o motorista no final disse que a viagem seria de graça, para total júbilo dos passageiros. Assim que a geladeira e o freezer esvaziarem vamos fazer essa viagem novamente, vale muito a pena.

Tem muita coisa pra contar, mas fica para a próxima.

Companheiros de viagem

Companheiros de viagem

Passados os feriados de Páscoa, na quarta-feira dia 7 de abril às 16hs 30 min tive que pegar o barco para Frøya, pois à partir daquela semana comecei a lecionar 6 aulas na quinta e 6 na sexta (antes eram 2 na quinta e 4 na sexta) e por isso teria que estar em Frøya na quarta. No caminho, o capitão avisa que um enorme grupo de baleias estava cercando o barco! Todos saíram no deck para ver, e logo avistamos as baleias que mergulhavam e subiam à superfície sincronizadamente, por todos os lados. Para ver uma vídeo-reportagem do jornal local sobre o acontecimento, clique aqui.

Estava um pouco nervosa por ter que lecionar dois dias, mas felizmente deu tudo certo. Além do trabalho, tive também que me preparar para duas provas orais de espanhol. Em uma delas, fiz um vídeo onde eu falei sobre a emigração espanhola e as migrações internas do país. Eu tive que fazer o vídeo por que não poderia estar presente nos dias da apresentação, quinta e sexta. Na quarta-feira passada tive mais uma prova, e já sei que fui aprovada. A professora ainda não me falou nada sobre o vídeo, então tenho que esperar. Agora restam duas provas orais. Uma sobre um conto escrito pelo mexicano Juan Rulfo e outra sobre um livro chamado Caperucita em Manhattan.

Felizmente as aulas na faculdade acabam em duas semanas e aí vou ter mais tempo para me preparar para as provas e trabalhar. Agora estou me decidindo sobre qual curso fazer no semestre que vem. Me faltam míseros 45 créditos para poder fazer Ensino Prático Pedagógico ano que vem. Estava pensando em um ano de ciências sociais, bacharelado em inglês ou um ano de norueguês, mas aí minha professora de espanhol me disse que eu tenho que continuar com o espanhol, fazer um bacharelado. O problema é que não tem bacharelado em espanhol em Trondheim, então teria que me matricular na Universidade de Oslo e fazer o curso à distância. Tenho até dia 1 de julho para me decidir.

A semana em uma postagem

A semana em uma postagem

É difícil lembrar tudo o que tenho para escrever nesta postagem, pois depois que escrevi a postagem passada aconteceram muitas coisas. Na quarta-feira de manhã, durante a aula do grupo de espanhol,onde praticamos gramática e comentamos um livro que estamos lendo, apareceu um fotógrafo que começou a tirar fotos nossas para publicá-las na página do instituto de línguas modernas. Pelo que eu entendi, isto tem a ver com a campanha para atrair estudantes de idiomas para a NTNU. Não creio que as fotos estão no site ainda, mas assim que ficar sabendo posto o link aqui.

Na quarta-feira também, mas de tarde, meu cunhado e a namorada trouxeram um fogão e uma lava-louças que eles tinham em casa, queriam vender e nós compramos. O fogão é daqueles com chapa de cerâmica, nunca tive um desses, a cozinha ficou mais moderna e bonita. Parece luxo demais falar de lava-louças, mas aqui na Noruega é quase uma necessidade. Meu marido ainda não a instalou por que estava faltando uma peça, mas se tudo der certo esta semana estaremos nos despedindo da pia, da esponja/escovinha e do Zalo (detergente norueguês).

Na quinta fui para Frøya e fiquei no hotel, bem comfortável apesar de simples. Fiquei muito feliz ao perceber que a recepcionista era uma menina da Turquia que trabalhou comigo fazendo limpeza um curto período quando eu morava em Frøya. Ela não se lembrou de mim, mas mesmo assim eu fiquei muito feliz por ver que outras estrangeiras na Noruega aos poucos conseguem empregos melhores.

Na sexta peguei o ônibus de volta para Trondheim e só tive tempo de jantar, tomar banho e arrumar as malas para a viagem a Oslo. Felizmente agora moramos a 5 minutos a pé da estação de trem, então chegamos bem antes e embarcamos. A nossa cabine era minúscula, mas bem funcional. Não conseguimos dormir muito bem por que não estávamos acostumados, creio que da próxima vez a viagem será melhor. Uma coisa chata que aconteceu no final da viagem foi constatar que não havia água nem nos toaletes nem na pia da nossa cabine, tivemos que escovar os dentes e lavar as mãos com água mineral.

Chegamos em Oslo bem cedinho e de tarde foi a comemoração do aniversário da filhinha dos nossos amigos. Ela está cada dia mais linda, balbucia algumas palavras e está quase conseguindo dar seus primeiros passinhos. Demos de presente um roupãozinho com seu nome gravado, acho que os pais dela adoraram. Não havia muita gente e nos divertimos muito.

No domingo depois do café-da-manhã fomos ao aeroporto tomar o avião de volta para Trondheim. Só 50 minutos de vôo, mais o ônibus para o centro e estávamos de volta ao lar. Ainda bem, pois pudemos descansar, desfazer as malas e aproveitar o finalzinho do domingo. Assistimos a um filme chamado «The assassination of Jesse James by the coward Robert Ford». Um tanto especial, mas interessante. Valeu pela ponta do Nick Cave como trovador de saloon do velho oeste.

Agora estou aqui fazendo bolo pro aniversário do maridão que é amanhã. Vou fazer um bolo pra ele levar pro trabalho (tradição por aqui) e um para nós dois. Se eu ficar satisfeita com o resultado posto fotos depois.

It’s not only only

It’s not only only

A expressão idiomática que eu escrevi no título da postagem é na verdade a tradução em inglês de uma expressão norueguesa, «Det er ikke bare bare» (Não é só isso, ou «o buraco é mais embaixo», como dizemos em São Paulo pelo menos). O instituto de línguas modernas da faculdade está lançando uma campanha publicitária para tentar atrair estudantes para a área de idiomas, que anda muito em baixa, principalmente alemão e francês. Eles usam essa expressão para mostrar ao público que traduzir diretamente do seu próprio idioma para outro não significa dominar um idioma estrangeiro. O pior é que muita gente influente por aqui fala esses absurdos na imprensa e muitos especialistas dizem que o norueguês em geral pensa que fala inglês bem, mas quando tem que falar com um inglês ou americano, se enrola todo. Eu lembro de ter lido um documento do governo onde eles afirmam que muitas empresas norueguesas perdem contratos milionários com outros países europeus por que não sabem falar inglês, alemão, francês, etc. Então, a situação é séria. Espero que esta campanha realmente atraia pessoas para a área de idiomas.

Quanto ao meu novo trabalho, posso empregar esta expressão norueguesa: «Não é só isso». Por que eu percebi que ser professora na Noruega não se limita somente a dar aulas, corrigir provas e participar de reuniões. Enquanto no Brasil há inspetores de alunos que fazem uma ronda na hora do recreio e vigiam os alunos, na escola onde eu trabalho são os professores que estão encarregados desta tarefa. Ontem eu fui inspetora por 15 minutos, e os professores se revezam, para que todos tenham também uma pausa para almoçar. Mais um reflexo da política norueguesa de economizar funcionários, e eu acho isso bem razoável.

As aulas começam às 9 horas da manhã, e há 2 pausas de 10 minutos mais uma pausa longa de 50 minutos. Os alunos comem seus lanches na classe junto com o professor e depois podem sair da sala de aula para o recreio. Todas as salas de aula têm laptops com acesso à internet que os alunos podem emprestar para usar durante as aulas. Ontem até projetor eu usei na minha aula. Estou achando interessante aprender a rotina escolar daqui, cada dia aprendo uma coisa nova.

Nunca havia visto tanta neve em Frøya como agora. Ontem de manhã tinha que ir para a escola cedo, mas não me atrevi a dirigir enquanto o ‘brøytebil’ (trator que varre a neve para fora das estradas) não tivesse passado na minha rua. Estrada com neve fresca é um perigo. Posso dizer isso por que quando dirigi para fora da estrada foi justamente por que havia neve fresca no chão. Conclusão, arrumar o emprego dos sonhos não significa que meus problemas acabaram, pois cada dia aparece um novo desafio. Ainda bem, por que a vida sem surpresas e aventuras deve ser chata demais.

¡Olé!

¡Olé!

Estava esperando mais uma nota sair esta semana: a nota da prova de espanhol I, aquela em que eu bobeei feio e esqueci um exercício. Para meu alívio consegui um «C». Estava morrendo de medo de ser reprovada, mas eles foram muito bonzinhos comigo. Uma outra nota que eu não esperava e já saiu junto com a outra foi a nota de Língua Espanhola I, aquela que durou 6 horas e onde caíram absolutamente todas as regras gramaticais possíveis. Para minha surpresa e felicidade, tirei um «A»! :D. Agora falta só a nota de Línguas Estrangeiras e a Sociedade, que prometeram pro dia 11.

Hoje vou guardar todos os enfeites de Natal (dia de Reis, como é a tradição lá em Sampa) e deixar o Natal para trás. Ontem fui à faculdade ver o preço dos livros e comprei alguns. Vou tentar vender outros que tenho aqui para esvaziar a estante e financiar os livros novos. Este semestre vou ler, entre outros, um livro chamado «Crónica de una muerte anunciada» do colombiano Gabriel García Márquez. Vamos estudar literatura latinoamericana e espanhola neste semestre, mas o foco será mais sobre a cultura espanhola, já que a cultura latino americana foi tema do semestre passado. Ainda sei pouco sobre as novas matérias por que ainda não tive aula, mas semana que vem vou saber mais.

Para encerrar, queria deixar bem claro que não me incomodo em dizer os resultados da minhas provas, sejam eles ótimos ou péssimos. Espero que isto não incomode alguém. O objetivo deste blog, além de registrar para mim mesma minha vida na Noruega, é mostrar a outras pessoas que tentam uma nova vida aqui que é sim possível conseguir uma educação e um bom emprego, embora seja um pouco mais difícil para imigrantes. Difícil, sim, impossível, nunca.

Meu primeiro presente já chegou

Meu primeiro presente já chegou

Ontem tirei o dia para fazer faxina geral em casa. Agora a casa está praticamente pronta para o Natal. Vamos passar a véspera com meus sogros, mas o dia de Natal vamos passar aqui. Além do mais vamos receber visita no final de semana. Em uma pausa da limpeza, decidi checar o site que publica as notas das provas e lá estava: História e cultura da América Latina: A!!! :D. Esta notícia alegrou o meu dia, que aliás estava cinzento e com muita, muita neve. Aqui é o telhado do nosso apartamento:

Hoje é meu último dia de trabalho antes do Natal. Semana que vem vou trabalhar de dia por que o jardim de infância estará fechado. As aulas começam só no meio de janeiro. Hoje também é o que os noruegueses chamam de Lille Juleaften (Pequena véspera de Natal) e dia da tradição do risgrøt (uma variante do arroz doce brasileiro, só que servido quente). Ao preparar o arroz, vou colocar uma amêndoa na panela. Quem achar a amêndoa em seu prato ganha um porquinho de marzipã (eu vou trocar o porquinho por marzipã de Natal). E depois, claro, vamos ver o filme da condessa e do mordomo.
Como este é o último post antes do Natal, vou deixar uma música natalina norueguesa para desejar a todos Feliz Natal!. É um salmo cantado em nynorsk (o outro idioma oficial da Noruega) por Sissel Kyrkjebø e Odd Nordstoga.

The same procedure as every year…

The same procedure as every year…

Sexta-feira foi o dia da minha última prova do ano e também a mais difícil de todas: Língua espanhola I. Usei todas as 6 horas de prova para responder muitas perguntas de gramática, compreensão de texto e escrever uma redação. Agora só resta esperar pela nota que sai em janeiro. Ontem, fiquei sabendo que esqueci de fazer um exercício na prova de Espanhol I (aquela que eu achei facílima), e agora não sei o que vai acontecer – se vou tirar uma nota baixa ou se vão me reprovar por deixar de responder um exercício inteiro. Não vou deixar isso acabar com meu Natal, afinal essa matéria é extra. Mas, que eu estou muito brava comigo mesma por ter dado esse vacilo, isso eu estou.

Além de ter estudado a maior parte do tempo, andei fazendo várias coisas relacionadas com o Natal. No começo do mês fiz pepperkake, os biscoitinhos de pimenta:
Primeira etapa do preparo da massa

Massa pronta

Biscoitinhos indo para o forno

E aqui já decorados, prontinhos para serem saboreados.

Com alguns corações de pepperkake montamos uma árvore de corações:

No sábado fiz uma bebida quente típica de Natal aqui chamada Gløgg. Trata-se de uma versão do quentão junino paulista, mas com menos gosto de álcool. Para acompanhar, uvas passas e amêndoas picadinhas. Ficou muito bom.

Ontem fiz duas coisas que nunca tinha feito antes. Experimentei uma poltrona que faz massagem! Eu escolhi o programa de massagem que eu queria, liguei o som e tive 20 minutos de puro relaxamento. Deu vontade de ter uma dessas em casa. Depois fui a uma sessão de sauna, que achei muito bom. Estava fazendo muito frio em Trondheim, então a sauna me fez muito bem.
Ainda tivemos tempo de dar uma volta no centro e ver a decoração de Natal. A cidade estava coberta de neve e a atmosfera natalina estava presente.

Falando em atmosfera de Natal, a Noruega tem uma tradição natalina no mínimo curiosa na antevéspera de Natal, dia 23. Todo ano a televisão estatal daqui exibe um tipo de filme de curta metragem inglês bem antigo contando a história da condessa e do mordomo. É sagrado, todo ano o filme é exibido e o povo não se cansa de vê-lo. É um pouco engraçado, mas não tem absolutamente nada a ver com Natal. Outro dia ouvi um inglês que mora em Trondheim no rádio dizendo que nunca havia visto esse filme na Inglaterra e que não achava graça nenhuma na história. Cada povo com uma tradição. Tem até uma frase muito falada nesse filme que é usada por aqui em outras situações: «The same procedure as every year» (O mesmo procedimento de todo ano). Aqui está o tal filme para quem quiser dar uma espiadinha: