Kategori: Inverno na Noruega

«E quem mora na Noruega?»

«E quem mora na Noruega?»

Sei que estou devendo uma postagem para falar do Natal, do Ano Novo e da visita do meu irmão. Mas, agora há pouco assisti a um vídeo do Dr. Dráuzio Varella no You Tube e tive que vir aqui escrever uma postagem sobre o inverno. Recebi comentários me pedindo postagens sobre este tema.

Neste vídeo, o Dr. Dráuzio fala sobre mitos e verdades sobre gripes e resfriados, e encerra o vídeo dizendo que não são friagens e exposição à baixas temperaturas que ocasionam gripes e resfriados e sim vírus. E ele faz a pergunta: «Já imaginou se a friagem fosse responsável por essas infecções? E quem mora no Canadá? E quem mora na Noruega?». Eu, nesses quase 10 anos de Noruega, fiquei pouquíssimas vezes resfriada e nunca peguei gripe. Há campanhas de vacinação gratuita contra a gripe suína, mas eu optei por não tomar esta vacina por enquanto. Lembro que, no começo, costumava dizer ao meu marido para não se expor à friagens por que poderia ficar resfriado e ele sempre me olhava com cara de ponto de interrogação. Aqui na Noruega nunca se ouviu falar nisso. Tanto é que ele apresentou o meu irmão a um hábito maluco bastante apreciado pelos noruegueses em geral: sair lá fora somente de roupa de banho, deitar na neve por alguns segundos e entrar na sauna.

Nos hospedamos em um hotel spa na Suécia e lá meu irmão fez outra maluquice nórdica: entrou em uma piscina (aquecida) ao ar livre a 25 graus abaixo de zero! Ele adorou a experiência, eu não tive coragem. E ninguém se resfriou ou pegou gripe.

Durante o serviço militar no extremo norte da Noruega (Kirkenes), meu marido conta que teve que nadar nas águas de um lago congelado várias vezes como parte do treinamento para sobrevivência no inverno. Não ficou doente por isso. Se alguém duvida, olhe este vídeo que encontrei no You Tube:



E aqui o vídeo do Dr. Dráuzio para quem quiser assistí-lo na íntegra:



Mais um programa da série Slow TV na Noruega

Mais um programa da série Slow TV na Noruega

Hoje, domingo, é o último dia de transmissão de um programa que começou sexta-feira. Neste programa, corais de todo o país e alguns de outras partes do mundo cantaram e vem cantando 899 salmos que compõem o livro de salmos norueguês. E o mais especial é que escolheram uma igreja na minha cidade, Trondheim, para realizar este projeto.
Com novembro chegou a escuridão quase que permanente aqui, e escutar músicas tranquilas em um fim de semana acalma muito. Sem falar nas belas imagens da cidade que aparecem na televisão.

Para saber mais sobre Slow TV, leia esta postagem.

Me livrei de mais uma!

Me livrei de mais uma!

Primeiro quero dizer que fico comovida com mensagens de leitores do blog que eu nem conheço pessoalmente com palavras carinhosas e motivadoras. Eu sei que sou péssima para manter contato virtual com leitores do blog. Eu leio muitos blogs, mas não sou de deixar comentários. Mas, mesmo assim sempre aparece um ou outro leitor que manda um recadinho.
Hoje uma professora da faculdade veio assistir minha aula de inglês na oitava série. Meu estágio de inglês está quase acabando, e a professora me deu muitos elogios. Estou aliviada por ter vencido mais esse obstáculo. Agora faltam somente três aulas e terei completado minhas 100 horas de estágio. Até meados de junho ainda terei que entregar um trabalho em grupo de 20 páginas, apresentar este trabalho em uma conferência com todos os estudantes, entregar um portfólio com meus melhores trabalhos que escrevi durante o curso e passar por uma prova oral.
Quinta-feira haverá o baile de ano novo da escola onde trabalho. Nunca estive no baile antes, mas agora que sou responsável por uma classe, sou obrigada a comparecer. Alunos, pais e professores vão jantar, dançar e se divertir durante 5 horas. Fiquei sabendo que os alunos ensaiaram uma dança ao som de «Ai se eu te pego» (vários professores vieram me perguntar o que o título da música significa) para apresentar no baile, vai ser interessante ver a coreografia.
Daqui a duas semanas vamos ter as férias de inverno, sete preciosos dias sem trabalho e faculdade. Vou ter que escrever trabalho e corrigir provas e cadernos, para variar, mas vou poder administrar os dias do jeito que eu quero. Quem sabe até me aventuro a esquiar no parque aqui perto.
Um encontro inusitado

Um encontro inusitado

Hoje aconteceu uma coisa no mínimo extraordinária. Lá vinha eu andando de volta para casa, em um frio de 8 graus negativos, quando um homem e uma moça se aproximaram. O homem me perguntou se eu sabia onde havia uma loja de brinquedos nas redondezas. Enquanto eu pensava na resposta, a moça me diz, pronunciando meu nome como só os brasileiros o fariam: «RAQUEL???» Eu então olho para a moça e reconheço-a imediatemente: «Camila???» Hahaha…e não é que era a Camila que mora em Bodø? Demos muitas risadas e ela então me explicou que estava em visita relâmpago a Trondheim por conta do seu trabalho. Contamos para seu colega (o que me perguntou da loja de brinquedos) a coincidência e ele ficou estupefato também. Uma pena que foi um encontro tão rápido. Mas, que surpresa agradável! 😀 Foi a primeira vez que encontrei (por acaso) uma brasileira que mora na Noruega e escreve um blog. Camila, quando passar em Trondheim novamente, me avisa!

Adeus, fadiga de inverno!

Adeus, fadiga de inverno!

Continuava sem saber como enfrentar o dia-a-dia sem padecer da tal fadiga de inverno. Recebi algumas dicas para aumentar a dose de vitamina D, mas o que acabou resolvendo o meu problema foi um rádio relógio. Explico. Sábado fomos dar uma olhada nas liquidações pós-Natal e encontramos um rádio relógio que, conectado a um abajur, funciona como «wake up light» (espécie de luz que acende gradativamente, enganando o cérebro e fazendo-o pensar que já é dia e por conseguinte ajudando a diminuir a fadiga de inverno). Estava em oferta, então compramos um para experimentar. Eu tenho um abajur de leitura bem acima da cabeceira da cama, então meu marido conectou o rádio relógio a esse abajur. Ah, tivemos que trocar a lâmpada, que era daquelas econômicas por uma normal, por que com essas lâmpadas econômicas não se pode programar a função de acender gradativamente (dimmer). Por exemplo, se eu acertar o alarme para as 5hs30min, a luz acende 20 minutos antes, bem fraquinha, e vai ficando mais intensa a cada dois minutos. Às 5hs30min, quando o alarme toca, a luz está bem forte, e aí o cérebro já foi ‘enganado’, fazendo o organismo pensar que é dia. Hoje meu dia está rendendo muito. Dei aula das 8hs30min às 14hs30min, fiquei trabalhando até às 16hs45min e ainda vou trabalhar mais um pouco. Não posso confirmar com 100% de certeza que foi o rádio relógio, mas vou testando-o e vendo se melhoro. Podemos escolher barulhinho de rio, floresta, passarinhos para acordar, além dos tradicionais rádio e buzzer (piii-piii-piii…).
Outra notícia boa é que aumentaram minhas horas de trabalho um pouco mais. Recebi uma proposta de dar aula de religião, ética e perspectivas de vida (RLE=religion, livssyn og etikk) para uma classe de oitava série. Comecei hoje e gostei. Nunca dei aula dessa matéria antes, mas parece um pouco com ciências sociais, que estudei por um ano na faculdade aqui. Com o aumento de horas de trabalho esse rádio relógio veio em boa hora.
Mais um ano se inicia

Mais um ano se inicia

Passamos o Natal na casa dos meus sogros, desta vez com a presença dos mais novos membros da família: nossos sobrinhos. Eles ainda são muito pequenos, têm quatro meses, então não entendem nada que está se passando ao seu redor. Ano que vem será mais divertido. Ganhamos alguns presentes que havíamos comentado que precisávamos (aqui é comum os familiares trocarem lista de presentes, isso facilita muito a vida), mas, também ganhamos algumas coisas que não agradaram tanto. Eu e meu marido tentamos trocar os presentes, e só não conseguimos trocar um ainda. Pode até soar arrogante da minha parte dizer que ganhei presentes de que não gostei (não posso deixar de lembrar da minha avó dizendo «cavalo dado não se olha os dentes»), mas o que acontece aqui na Noruega é que se dá muitos presentes, coisa com a qual eu não estou acostumada, e muitas vezes essa febre de se dar tantos presentes faz com que as pessoas se estressem e comprem a primeira coisa que veem pela frente, só para se livrar da tarefa. Além do mais, moramos em um apartamento pequeno, e sinceramente meus armários estão mais do que lotados. Ganhar uma coisa que eu sei que não vou usar e ter que espremê-la em um armário já lotado de antemão não soa muito prático. Outra coisa que costumamos fazer com presentes repetidos é guardá-los para dar de presente a outra pessoa. Mês sim, mês não, tem aniversariante na família, então sempre temos que estar pensando que presente vamos ter que dar. Cansativo, na minha opinião.
Nos dias entre o Natal e o Ano Novo eu não tive que trabalhar, mas minha vida social esteve bastante corrida. Visitei uma amiga, recebemos a visita dos meus sogros e amigos, mas na véspera de Ano Novo, como de costume, só eu e meu marido. No jantar saboreamos uma iguaria norueguesa chamada Rakfisk – trutas curtidas – acompanhadas de batatas cozidas, cebola, mostarda, manteiga e pão folha (Flatbrød). O peixe se compra pronto e é só fatiar e servir. Mais prático, impossível. Às onze e meia saímos para ver os fogos de artifício e tínhamos conosco nossos próprios fogos, que soltamos em um lugar onde se é permitido soltá-los. A noite estava agradável, não fazia um frio insuportável e não estava escorregadio nas ruas.
E assim nos despedimos de 2011 e entramos em 2012. Meu marido começou no novo emprego (mesmo batlocal, mesmos batcolegas, só que foi promovido a um cargo mais alto), e eu voltei para a escola, o estágio e as leituras para a faculdade. Entre janeiro e final de março vou ter que entregar 3 trabalhos, estudar para 3 provas, e nem sei quantas provas vou ter que corrigir na escola. O estágio também consome tempo e neurônios, mas felizmente ele terminará no final de janeiro. Uma coisa ótima que está acontecendo é que a minha mentora já me pediu novamente para ser sua substituta, o que significa que ela confia no meu trabalho e eventualmente pode me indicar novamente no futuro caso a escola precise de professor. Aos poucos vou construindo minha rede de contatos profissionais.
Ainda bem que em meados de fevereiro já teremos uma semana de férias, a chamada vinterferie (férias de inverno).
O inverno por aqui está muito rigoroso. Nem tanto pelo frio e pela neve, mas por causa da falta de sol. Há pouquíssimas horas de luz e eu percebo que a falta de luz solar me dá muita fadiga. Mesmo tomando óleo de fígado de bacalhau e indo à academia, tem dias que não tenho energia para ir estudar depois do jantar (entre 18 hs e 22hs). Isso é frustrante por que se perde muito tempo precioso. Em março a luz solar começa a dar o ar de sua graça e os dias ficam mais claros.
Um dia antes das férias de Natal

Um dia antes das férias de Natal

A confraternização de Natal da escola foi tranquila. Alguns colegas chegaram mesmo no restaurante pra lá de Bagdá e deram discursos, contaram piadas (dei boas risadas), mas, felizmente ninguém deu vexame. Fiquei decepcionada com a comida. Estava ansiosa para comer um bifão bovino com molho de cogumelos, mas estava totalmente sem tempero. Eu e meu marido conseguimos fazer um bife bem mais saboroso. Bom, agora pelo menos sei onde não vou jantar na próxima ocasião especial. Lá pelas 11 horas me despedi do povo e encontrei meu marido. Fomos a um pub escocês aqui perto de casa. Conversamos, escutamos música ao vivo e me diverti muito mais do que na confraternização.
Sábado, decoramos os biscoitinhos de pimenta com glacê e M&Ms e no domingo, fizemos as bolinhas de conhaque. Este ano estou feliz por que consegui fazer muitas comidinhas natalinas. Quinta e sexta, vou decorar a casa para o Natal. Me convenci que realmente decorar a casa dia 10 de dezembro como eu fazia em São Paulo é cedo demais. Falando em Natal, a emissora de rádio e TV estatal daqui, NRK, criou uma rádio digital que toca só música de Natal o mês inteiro. Ando escutando essa rádio ultimamente, há canções natalinas muito bonitas por aqui.
Hoje, 20 de dezembro, é talvez o dia mais escuro do inverno norueguês. Isso porque amanhã é o dia do solstício de inverno, ou seja, à partir de amanhã os dias vão ficando pouco a pouco mais claros, até culminar no dia 23 ou 24 de junho, dias em que a claridade dura mais tempo. Ouvi vários comentários de pessoas que esperam ansiosamente pelo dia 21 de dezembro, por que essa escuridão deixa muita gente pra baixo. Está amanhecendo por volta das 9hs30 min da manhã e anoitecendo às 15hs30 min aqui na minha região (lá pro extremo norte simplesmente não amanhece, as noites são eternas).
Amanhã também é o meu último dia de trabalho na escola antes do Natal. Meu marido tem um prêmio todo final de ano. Ele pode tirar metade de um dia de folga e escolhemos amanhã por que eu também vou trabalhar só na parte da manhã. Vamos na academia e depois ainda não resolvemos o que vamos fazer mas, só o fato de estar de folga é uma coisa maravilhosa.
Me despeço desejando a todos que leem e que não leem o blog um feliz Natal. Nessa época penso ainda mais naqueles que não têm nada para se alegrar na época do Natal, por isso deixo uma canção que escuto muito na rádio de Natal da Noruega. Trata-se do menino que o Papai Noel esqueceu, por que ele não tem pai.

Pequeno manual de sobrevivência no inverno norueguês

Pequeno manual de sobrevivência no inverno norueguês

Para responder a uma pergunta que li em um comentário na postagem passada resolvi escrever um míni manual de sobrevivência para os corajosos de primeira viagem que estão ou estão para se aventurar no inverno norueguês.

Regra número 1: Deixe a elegância parcialmente de lado. Esqueça botas / sapatos de salto agulha, meias-calças fininhas, casaquinhos curtinhos e justos, saias e minissaias. Para se proteger do frio temos que nos sujeitar a usar roupas menos elegantes e mais quentes. Já vi meninas andando – ou melhor dizendo, tentando se equilibrar nas ruas de gelo com salto alto e não ficou nada elegante. Pode ser que em outros lugares da Europa com um inverno menos rigoroso seja possível manter a classe, mas aqui, realmente, é praticamente impossível. A não ser que você saia de casa, entre num carro e só vá sair do carro na garagem do prédio onde trabalha e de lá de volta pro carro e dali para casa. Quem anda muito e usa transporte público tem que se agasalhar bem.

Peça fundamental número 1: Calça de lã. Você pode optar entre a meia calça de lã ou uma calça de lã. Elas são ótimas para se usar debaixo de calças jeans ou junto com um legging caso você se aventure a usar uma saia. Existem vários modelos, desde os escuros para todo tipo de situação até os mais delicados, em cores claras e com detalhes em renda.

Peça fundamental número 2: Meias de lã até a canela. Nada de usar meias soquete de algodão fininhas, no inverno tem que usar meias de lã grossas que vão até a canela e não ficam escorregando.

Peça fundamental número 3: Um bom suéter de lã. Embora faça um frio terrível lá fora dentro de lojas e dentro das casas há aquecedores que mantém a temperatura sempre alta, por volta de 25 graus Celsius. Então eu não recomendo que se use blusas tipo «cacharrel», ou blusas grossas com gola rolê, por que quando você entrar dentro de uma loja vai derreter de tanto calor. O melhor a se fazer é usar um top ou uma blusa fina por baixo, um suéter de lã e um casaco, assim você pode se refrescar tirando o casaco e/ou o suéter caso esteja muito quente.

Peça fundamental número 4: Um bom casaco de inverno. As mais tradicionais podem escolher um casaco de lã e as mais esportivas podem escolher uma jaqueta que parece um edredom, por que é estofada com penas de ganso. Também existem casacos compridos de penas de ganso que ficam muito elegantes e são bem quentinhos. Há a opção de capuz para as que não gostam de gorros e boinas.

Peça fundamental número 5: Cachecol de lã. O melhor é comprar/tricotar cachecóis de várias cores para combinar com a roupa do dia. Proteger o pescoço é importantíssimo, por que se você sentir frio no pescoço não importa o quão quentes o casaco e o suéter são, você vai começar a sentir frio no corpo todo. O bom do cachecol é que você pode tirá-lo facilmente quando sentir calor.

Peça fundamental número 6: Luvas de lã ou de couro. O melhor modelo de luvas são as «votter», as que só tem o polegar. Eu tenho várias assim que o avô do Morten tricotou para mim. Essas luvinhas esquentam muito mais que as luvas comuns. As de couro não esquentam tanto, mas servem caso você vá dirigir ou queira estar mais elegante.

Peça fundamental número 7: Gorros e/ou boinas. Assim como os cachecóis, é bom ter gorros e boinas de várias cores. Eu detestava usar gorro no Brasil, aqui aprendi que gorro é indispensável, principalmente quando está ventando muito. Os gorros devem proteger as orelhas também, pois quando está muito frio elas podem congelar!

Peça fundamental número 8: Um bom par de botas / sapatos de inverno. Aqui existem modelos para todos os gostos e bolsos, desde os forrados por dentro até os de couro mais elegantes. Eu não recomendo os modelos com muitos cadarços e fivelas, por que se você for visitar alguém vai ter que tirar os sapatos ao entrar e demora muito para calçar e descalçar os sapatos. Eu trabalho em uma escola e até lá tenho que tirar os sapatos que uso na rua e trocar por sapatos para se usar no interior do prédio. Questão de higiene.

Peça fundamental número 9: Os brodder, uma peça que se coloca na sola dos sapatos que contém ou tachinhas ou metal que protegem contra quedas no gelo. Eu tenho dois modelos. Quando vou fazer compras e tenho que sair e entrar de lojas, uso o modelo que é mais fácil de tirar e por:


Mas quando vou fazer caminhadas e quando eu vou trabalhar eu uso outro modelo, que dá mais trabalho para tirar e pôr.

Peça fundamental número 10: Essa não é exatamente relacionada ao inverno, mas sim à escuridão que assola a Noruega entre outubro e meados de março. Trata-se do refleks, uma peça fluorescente que se prega ao casaco ou à bolsa e faz com que os motoristas te vejam andando na rua e não te atropelem. Parece absurdo, mas na época escura por aqui um refleks pode sim salvar uma vida. Alguns modelinhos:

Primavera abrindo alas

Primavera abrindo alas

Depois de semanas com o tempo assim:

e assim

esta semana a primavera começou a dar, timidamente, o ar de sua graça. Agora o dia clareia de verdade, sem aquela penumbra desanimadora típica do inverno. O sol, além de brilhar, começa a esquentar e bronzear e isso tudo contribui demais para a nossa disposição para acordar de manhã e ir trabalhar/estudar. Esta mudança de tempo mexe muito com o humor das pessoas, agora se vê muito mais gente na rua ao mesmo tempo, todo mundo quer sair e festejar a partida do inverno. Embora ainda faça frio e haja muito gelo e neve pelas ruas, percebe-se que aquela atmosfera pesada está sumindo. Por tudo isso, a música tema dessa semana não poderia ser outra:

Assuntos acumulados

Assuntos acumulados

Eu deveria ter escrito uma postagem há alguns dias, mas a correria combinada à falta de inspiração para escrever fez com que os acontecimentos se acumulassem feito uma bola de neve. Falando em bola de neve, aqui em Trondheim a neve voltou com força total. Não pára de nevar há pelo menos quatro dias, está tudo branquinho! Por incrível que pareça, a temperatura não precisa estar baixíssima para se nevar. Então, agora faz um frio ameno – entre 0 e 2 graus positivos, e neva, neva e neva.

Na quinta-feira em Frøya houve um show organizado por um movimento chamado Mot (coragem em norueguês). Eles trabalham com adolescentes e tentam conscientizá-los da importância de se fazer as escolhas certas e dizer não. Acho a mensagem deles super válida. O que eu não esperava era que o tal do concerto tivesse um nível tão profissional, com artistas de primeira e artistas locais. Até alguns dos meus alunos participaram, enfim, foi um show bem além das minhas expectativas.
Depois das aulas, os funcionários da escola foram assistir a uma palestra com o fundador desse movimento, um ex-patinador no gelo muito conhecido por aqui. Ele falou algumas coisas muito interessantes, valeu a pena.

Me instalei no quartinho que eu aluguei e preciso só de mais algumas coisinhas para deixar o quarto com a minha cara. Não quero começar a decorá-lo com muitas tranqueirinhas por que quando eu sair de lá vou ter que carregar tudo sozinha de volta para casa.

No final de semana, completamente por acaso, visitamos um museu aqui em Trondheim chamado «Ringve», um museu dedicado à musica. A entrada era gratuita e vimos uma coleção riquíssima de instrumentos musicais antiquíssimos e de todo o mundo. Ficamos super felizes por ter ido lá no domingo, pois, além de ser um dia tipicamente tedioso, nevava sem parar.

Ainda no domingo fomos ver um sofá usado que estava à venda, mas infelizmente não achamos que ficaria bom na nossa sala. Depois de ver muitos sofás usados, resolvemos comprar um novo mesmo e ontem fomos à Meca dos móveis baratos e de qualidade razoavelmente boa, a megaloja sueca Ikea. Gostamos de um modelo, mas como o preço estava um pouco salgado, decidimos pensar mais um pouco. Indo em direção à saída da loja, fomos dar uma olhadinha no billigkroken, lugar onde eles vendem artigos de mostruário ou com pequenos defeitos a descontos enormes. E não é que para nossa surpresa lá estava um sofá igualzinho ao que a gente queria pela metade do preço? Nós examinamos o sofá minuciosamente e não achamos nenhum defeito aparente, então resolvemos comprá-lo. Depois de carregar o sofá até o caixa, emprestar uma carreta da loja, dirigir com o sofá até nosso prédio e subir 5 andares de escada com ele (na Noruega não tem entrega à domicílio como as Casas Bahia, não!), agora ele está bonitinho aqui na nossa sala. Nunca tive uma sorte dessas, espero que se repita mais e mais.