Kategori: Livros

Por quê eu ainda faço isso?

Por quê eu ainda faço isso?

Final de semana prolongado. Já corrigi as provas mais longas, deveria estar lá fora aproveitando o dia ensolarado. Mas, vou ter que ficar na frente do computador lendo e escrevendo o rascunho do meu trabalho de faculdade. Data de entrega: 15 de maio. 6000 20170429_110651.jpgpalavras. Quando concluí os dois anos de pedagogia em 2013, lembro de ter dito a mim mesma: Nunca mais! Mas, eu amo estudar, vou fazer o quê?

Os lados positivos: 1: as matérias são muito interessantes. 2: vou ter competência formal em religião e ética, matéria que leciono na escola há alguns anos. 3: com o aumento de refugiados de guerra chegando na Noruega, saber mais sobre as culturas do Oriente Médio ajuda muito a receber as crianças que chegam para começar na escola. 4: cada vez que consigo mais créditos em uma nova matéria, recebo um aumento de salário.

Então, sim, vou sacrificar dois finais de semana até o dia 15 escrevendo as 6000 palavras sobre religiões do Oriente Médio.

Férias de Páscoa

Férias de Páscoa

Li o livro em seu idioma original

Hoje é domingo de Páscoa (Feliz Páscoa, ou God Påske, como dizem por aqui!) e eu estou chegando ao final de minhas férias de Páscoa – 10 dias de folga. Na Noruega, os feriados oficiais de Páscoa são a quinta-feira santa (Skjærtorsdag), a sexta-feira santa (Langfredag), o Domingo de Páscoa (Påskesøndag) e a segunda-feira de Páscoa (Andre Påskedag). Mas, alunos e professores tiram a semana inteira de folga. Meu marido felizmente conseguiu folga à partir da terça-feira, então tivemos muito tempo livre. E desta vez meu tempo foi realmente livre, pois, ano passado a minha Páscoa inteira se resumiu a escrever trabalhos para a faculdade e estudar para as provas. Eu usei boa parte do tempo para ler um livro excelente chamado A assinatura de todas as coisas, de Elizabeth Gilbert. Nunca antes eu havia lido um livro de 500 páginas tão rápido. Eu já havia lido o livro mais famoso de Gilbert, Comer, Rezar e Amar e este novo livro não me decepcionou. O próximo livro da fila é O Mundo de Sofia, que ganhei de aniversário do meu marido ano passado e ainda não li! Ele, aliás, leu o livro antes de mim. Falando em bons livros, que tristeza saber sobre o falecimento de Gabriel García Márquez. Li duas de suas maiores obras – Crônica de uma morte anunciada e Amor nos Tempos do Cólera. Agora quero ler Cem Anos de Solidão.

Meus livros de francês
Usei um pouco do tempo livre para comecar a aprender francês! Eu nunca pensei que iria ter disposição para aprender um novo idioma depois que aprendi norueguês e espanhol, mas visitei Paris em 2011 e simplesmente me apaixonei tanto pela cidade que prometi voltar. Como boa parte dos franceses ou não fala, ou se nega a falar inglês com os turistas, senti a necessidade de aprender o idioma antes de retornar para poder adquirir mais experiências novas no país. Tenho até uma colega de estudos norueguesa. Já aprendi muitas palavras e gramática, vou tentar manter a frequência e estudar semanalmente.
O bom da chegada Páscoa é que agora o tempo vai voar até as férias de verão. Em breve haverá outro feriado, o primeiro de maio, uma quinta-feira (vou trabalhar na sexta, aqui não há a cultura de emendar feriados). O 17 de maio, feriado nacional da Noruega cairá em um sábado, mas, em seguida, dia 29 de maio (uma quinta-feira), é o feriado da ascensão de Cristo. E segunda-feira, dia 9 de junho, é o segundo dia de Pentecostes. Minhas férias de verão começam dia 21 de junho. Quase daqui a exatos dois meses.
Notas de viagem outubro de 2013

Notas de viagem outubro de 2013

Finalzinho de outubro e dentro de quase dois meses minhas férias prolongadas estarão chegando ao fim. Estou tentando fazer as coisas que havia planejado e que ainda não tive oportunidade de fazer, mas posso dizer que estamos desfrutando muito desses dias de folga que demos de presente a nós mesmos. Visitamos amigos e passeamos muito.

Hoje fez 37 dias, ou 5 semanas que comecei a dieta. Fui me pesar de manhã e, para minha surpresa e alegria, a balança indicou que eliminei 5 quilos desde que comecei há 5 semanas. Ainda tenho muitos quilos para eliminar, mas estou extremamente satisfeita, feliz e motivada para continuar a dieta até chegar ao meu objetivo. Percebo que mudei completamente minha atitude com relação à alimentação, pois mesmo quando vou visitar amigos e almoço ou janto fora, eu saio o mínimo possível da dieta e não fico angustiada por isso.

Agora estamos em São Paulo, mas passamos um mês em Santos. Pintamos as paredes do apartamento, o que deu muito trabalho, mas o resultado ficou excelente. O tempo está bem melhor, as temperaturas estão mais parecidas com as de verão e estamos bem bronzeados. Será um grande contraste chegar à Noruega em pleno inverno e creio que seremos uns dos únicos bronzeados por ali. O bom de estar em Santos é que podemos fazer tudo a pé, então vamos mais ao cinema (às segundas e quartas o bilhete custa somente 7 reais!). O último filme que vimos foi o «Gravity» com o George Clooney e a Sandra Bullock, gostamos muito. Instalamos internet no apartamento e agora estamos sempre online. Eu pensei que não ia fazer falta, mas hoje vejo que ter internet facilita muito a vida, sem falar que torna a estadia em Santos menos tediosa quando o tempo não está bom o suficiente para se ir à praia.

Estou assistindo aos episódios antigos do seriado Grey’s Anatomy pela internet e estou quase chegando aos episódios que estão sendo exibidos atualmente na TV. Eu gosto muito desta série por que, apesar de ser ambientada em um hospital, ela apresenta algumas situações muito parecidas com as que vivenciamos em uma escola. Por exemplo, os residentes têm que trabalhar em equipe como nós professores temos que trabalhar na escola, e nem sempre eles entram em acordo. Os pacientes têm cada um a sua história, igual aos alunos. E tem os líderes, que ora apoiam ora são mais rígidos com os residentes. Os residentes aprendem com os médicos mais experientes, assim como os professores recém-formados aprendem com os professores que já trabalham lá há anos. Além desta série estou seguindo Downton Abbey e The Walking Dead, e ainda quero assistir à sexta temporada de The Big Bang Theory.

Não deixei a leitura de lado. Terminei o Amor en los tiempos del cólera e chorei muito no final. Agora quero ver o filme que fizeram baseado no livro. Comecei O Crime do Padre Amaro do Eça de Queirós e estou quase na metade. Estão ainda na fila o O Mundo de Sofia de Jostein Gaarder, o Manuscrito encontrado em Accra do Paulo Coelho, Casa de Pensão de Aloísio de Azevedo, Estorvo de Chico Buarque e Casa Grande e Senzala de Gilberto Freire. Sem falar nos e-books.

Abri uma conta no Twitter e estou adorando esta mídia social, até mais que Facebook. É muito mais sério, as pessoas postam links de artigos de jornal muito interessantes, artigos que eu jamais acharia sozinha. Sigo alguns profissionais e organizações de ensino da Noruega e sempre tem alguma coisa interessante para ler. As poucas celebridades que sigo escrevem sobre coisas banais do dia a dia, o que os aproxima do mundo real, ou o nosso mundo dos simples mortais. Se alguém quiser me achar lá, meu nome é Raquel_i_Norge.

O Livro de Kitty – Um diário de Camarões

O Livro de Kitty – Um diário de Camarões

Atendendo a um pedido especial de uma leitora do blog, estou postando a tradução de um trecho do diário de viagem da tia-avó do meu marido que trabalhou como missionária da Sociedade Missionária Norueguesa (Det Norske Misjonsselskap) em Camarões na década de 70. A primeira entrada data de 8 de junho de 1973 e a última de 5 de junho de 1976. O diário foi publicado pela organização somente para distribuição a amigos e familiares. Eu tive o privilégio de ganhar um exemplar do diário da minha sogra, pouco depois que Kitty faleceu.

Este é um diário que deveria ser lido por todos que, como eu, sentem fascinação por lugares diferentes e pessoas de lugares diferentes. Foi bem difícil para mim escolher um trecho para traduzir, por que o diário inteiro é tão maravilhoso que deveria ser traduzido integralmente. Acabei por escolher uma parte em que ela escreve um pouco sobre os obstáculos que uma missionária tem de enfrentar  e também um pouco sobre a vida de professora.

VIDA DE EXCURSIONISTA
13 DE JULHO DE 1974

Esta semana eu estive em excursão por Songkolong, Somie e Djang-Tong. Percorrer as estradas para esses locais é como participar de um filme de aventura. E tem também as pontes. Desta vez foi particularmente especial, porque choveu. Em razão disso, as tábuas colocadas entre alguns pequenos riachos estavam muito escorregadias. E quando acontecia de algumas das tábuas não estarem presas umas às outras, elas se separavam, claro. E ainda por cima constatamos que as tábuas de sustentação que ficavam por baixo estavam apodrecidas. Uma das rodas traseiras do meu carro partiu uma das tábuas, mas ele não caiu no rio. Muitos homens apareceram rapidamente. Eles LEVANTARAM o Land Rover com a ajuda de troncos de árvores – e no final todas as rodas do carro estavam na ponte novamente. Eles prometeram que a ponte estaria consertada quando eu passasse por ali novamente ao voltar para casa.

Em uma classe em Somie há 62 alunos que dividem 11 carteiras. Parece apertado, mas eles vão ganhar mais carteiras. Eles tinham 10 livros de leitura. Condições um pouco diferentes nas escolas daqui comparadas às escolas na Noruega! Mas, será que os alunos da Noruega estão mais felizes que os daqui?

Em Songkolong nós iríamos inaugurar a nova escola. O sacerdote em Somie, Siteni, ajudou com a inauguração. Foi realmente uma solenidade. As crianças em Songkolong escutam atentamente o meu sermão. Elas se sentam nas pontas dos bancos com as boquinhas abertas. É uma visão maravilhosa. Eu fico quase comovida com essas carinhas voltadas para mim.

É tão bonito em Songkolong. A natureza é bela. Montanhas ao fundo. E é BOM ir até lá por causa das pessoas que lá residem. Deve ser algo a ver com a hospitalidade. Eu me sinto tão bem-vinda de muitos modos. Durante a oração da manhã eles rezavam tão intensamente por mim – pelos professores – pelos alunos. Os dois professores são muito diferentes. Um deles é esperto e ágil. O outro é tão, mas tão bonzinho – chega quase a ser feito de bobo de tão bonzinho. Mas os alunos gostam tanto dele. Eu acho que ele significa muito para as pessoas aqui em Songkolong.

Notas de viagem setembro 2013

Notas de viagem setembro 2013

Estivemos em Santos no mês que passou e agora estamos de volta a São Paulo para, logo mais retornar ao litoral. As temperaturas estão subindo e o clima está cada vez mais parecido com o ideal. Meu marido já consegue se comunicar em português e está progredindo no seu aprendizado. Eu estou flertando com a ideia de aprender francês pela internet, tenho várias anotações e estou animada para começar.

A biblioteca de Trondheim disponibiliza um aplicativo chamado EbokBib, onde podemos baixar livros que estão livres de direitos autorais (todos os do Henrik Ibsen, por exemplo) e também livros mais recentes. Neste caso, é como se fosse um livro físico. Há cerca de três exemplares disponíveis de cada título, você empresta um exemplar (virtualmente) e pode ficar com ele durante um mês, para então devolvê-lo ou renovar o empréstimo. Andei visitando alguns brechós e encontrei mais alguns livrinhos que estou lendo pouco a pouco. O Morten leu O Mundo de Sofia e gostou muito. O próximo passo é  emprestar livros do EbokBib. Neste exato momento escuto meu marido dizer-me que um partido vencedor das eleições quer instituir taxa para se emprestar livros nas bibliotecas, isso seria trágico!

Aproveitamos os dias bonitos para fazer exercícios ao ar livre. Caminhamos e corremos pela orla da praia e estamos tentando consumir mais frutas e verduras, já que a variedade é enorme e os preços bem acessíveis. Investimos em eletrodomésticos para fazer sucos e todo dia tem suco natural aqui em casa.

Estamos também acompanhando as notícias da Noruega e segunda-feita passada (09/09) houve eleições. O voto na Noruega não é obrigatório e eu, como ainda não tenho a cidadania norueguesa, não posso votar nas eleições para o parlamento, somente nas eleições regionais. O sistema na Noruega é diferente do Brasil, já que o regime lá é a monarquia parlamentarista. Vou tentar explicar de uma forma breve. Há muito menos partidos políticos do que aqui, e eles se dividem predominantemente em dois blocos: o verde/vermelho, de partidos de centro e de esquerda, com tendências sócio-democratas e mais favoráveis ao controle do estado sobre os serviços básicos de assitência à população (por exemplo, hospitais e escolas)  e o azul, predominantemente formado por partidos de direita, de tendências  conservadoras e liberais e que são mais favoráveis à privatização de serviços básicos de assistência (escolas e hospitais particulares, por exemplo). Alguns desses partidos «azuis» demonstram uma clara intenção de restringir a entrada de imigrantes no país e alguns jornais internacionais chegaram até a noticiar que o partido político com o qual o atirador norueguês responsável pelos ataques terroristas em 2011 simpatizava fará parte do governo de coalizão.

Desde quando cheguei à Noruega em 2006 o governo é formado pelo bloco verde/vermelho. Será interessante acompanhar as mudanças que virão com este novo governo.

Vim parar no Brasil

Vim parar no Brasil

Meu marido finalmente começou a escrever seu blog, Vim Parar no Brasil. Eu o estou ajudando com as postagens em português, um verdadeiro trabalho em equipe.

Temos sofrido muito com o frio que anda fazendo em São Paulo. Esquecemos que as casas no Brasil não têm aquecimento elétrico, então sentimos falta de um fogão à lenha para aquecer a casa. Sente-se mais frio no Brasil dentro de casa do que na Noruega, porque lá, mesmo se a temperatura for 30 graus negativos do lado de fora, sempre temos cerca de 25 graus positivos dentro de casa. Aqui não: se está 10 graus do lado de fora, está também 10 graus dentro de casa. Nos arrependemos de não haver trazido mais roupas de lã da Noruega. Felizmente, os dias estão esquentando novamente e esperamos por dias mais ensolarados e quentes por aqui. Sabemos que ainda é inverno, creio que em setembro a primavera chegará.

Acabei de ler o livro The Help, gostei muito. Li também O Cortiço em versão digital. Agora vou começar o diário da tia avó do Morten como missionária no país de Camarões na África. Como é bom poder escolher o que se quer ler!

A volta ao Brasil depois de dois anos de ausência, sete ao todo morando fora daqui me fez ver certas coisas com perspectivas totalmente diferentes. As novelas da Globo, por exemplo, que antes eu assistia meio que automaticamente (nunca fui noveleira, mas assistia passivamente), são agora para mim tão desinteressantes, tão repetitivas, tão fora da realidade! Respeito quem gosta, mas não me vejo mais assistindo novelas das 18hs até as 23 hs (agora tem até novelas das 23hs!). Vou usar meu tempo para ler, ver filmes e séries em DVD.

Mais sobre diferentes perspectivas nas próximas postagens.

O duro recomeço depois de uma viagem maravilhosa

O duro recomeço depois de uma viagem maravilhosa

Domingo passado retornei de viagem e recomeçar a semana no trabalho foi bem difícil. Fizemos uma ótima viagem e os relatos aparecerão por aqui aos poucos. Hoje é sábado e o sol está brilhando lá fora. Meu marido está fazendo um check up em nossas bicicletas e daqui a pouquinho vamos dar uma saída para tomar sol e tirar o mofo de semanas de chuva. É maravilhoso sentir que a primavera está chegando e vamos nos livrar da neve, da chuva (essa pode voltar a qualquer momento) e dos dias cinzentos e tristonhos.
Comecei a ler o livro Comer, Rezar e Amar e estou adorando. Eu tinha vontade de lê-lo desde quando foi lançado, mas como sempre tenho que ler para a faculdade, nunca me sobrava tempo. Sempre que tenho uma folguinha dou uma lida, quero terminar o mais rápido possível.
Resolvi dar entrada nos trâmites para requerer a cidadania norueguesa na polícia de Trondheim. Felizmente vou escapar daquele inferno de ter que disputar uma senha a tapas com pessoas mal-educadas e ter que esperar quatro horas na fila de atendimento. Vou ter que pagar 3750 coroas (cerca de 1250 reais), vão marcar uma entrevista para mim e espero que o processo corra bem, apesar de eu saber que é demorado. Eu já poderia ter dado entrada desde dezembro de 2010, mas depois de ter obtido o visto permanente não tinha muita pressa em tirar a cidadania – até aterrissar na Inglaterra. Tive que preencher formulario de imigrante, pegar uma fila imensa para receber o carimbo no passaporte e ser interrogada como se eu fosse uma imigrante disfarçada de turista tentando entrar ilegalmente no país. Creio que ter passaporte norueguês vai facilitar muito minha vida e – ora, bolas, já estou aqui há mais de cinco anos, não tenho planos de me mudar daqui, então o mais natural é me tornar cidadã. Felizmente, não precisarei abrir mão do passaporte brasileiro, já confirmei mais de uma vez com a embaixada em Oslo.
Tenho, como sempre, muito o que fazer na escola onde trabalho e restam somente dois meses para entrarmos nas férias de verão. Depois de dois anos trabalhando ali já tenho mais experiência para manter tudo sob controle. Ainda não sei se vou continuar ali ano que vem, estou sempre à procura de novas oportunidades, mas ao mesmo tempo é uma grande vantagem continuar no mesmo local de trabalho. Sei como as coisas funcionam e onde encontrar o que ou quem quero.
Na faculdade, tudo calmo. Passei em todos os exames e todos os meus trabalhos escritos foram aprovados. Agora teremos somente uma reunião de três dias em maio, quando vamos realizar o projeto da escola ao ar livre e depois, férias de verão. É um alívio saber que, pela primeira vez em quatro anos não terei nenhum exame de faculdade sequer em maio ou em junho.
Agora vou sair e pegar um pouco de sol antes que ele desapareça.