Kategori: Saúde

Notas de viagem setembro 2013

Notas de viagem setembro 2013

Estivemos em Santos no mês que passou e agora estamos de volta a São Paulo para, logo mais retornar ao litoral. As temperaturas estão subindo e o clima está cada vez mais parecido com o ideal. Meu marido já consegue se comunicar em português e está progredindo no seu aprendizado. Eu estou flertando com a ideia de aprender francês pela internet, tenho várias anotações e estou animada para começar.

A biblioteca de Trondheim disponibiliza um aplicativo chamado EbokBib, onde podemos baixar livros que estão livres de direitos autorais (todos os do Henrik Ibsen, por exemplo) e também livros mais recentes. Neste caso, é como se fosse um livro físico. Há cerca de três exemplares disponíveis de cada título, você empresta um exemplar (virtualmente) e pode ficar com ele durante um mês, para então devolvê-lo ou renovar o empréstimo. Andei visitando alguns brechós e encontrei mais alguns livrinhos que estou lendo pouco a pouco. O Morten leu O Mundo de Sofia e gostou muito. O próximo passo é  emprestar livros do EbokBib. Neste exato momento escuto meu marido dizer-me que um partido vencedor das eleições quer instituir taxa para se emprestar livros nas bibliotecas, isso seria trágico!

Aproveitamos os dias bonitos para fazer exercícios ao ar livre. Caminhamos e corremos pela orla da praia e estamos tentando consumir mais frutas e verduras, já que a variedade é enorme e os preços bem acessíveis. Investimos em eletrodomésticos para fazer sucos e todo dia tem suco natural aqui em casa.

Estamos também acompanhando as notícias da Noruega e segunda-feita passada (09/09) houve eleições. O voto na Noruega não é obrigatório e eu, como ainda não tenho a cidadania norueguesa, não posso votar nas eleições para o parlamento, somente nas eleições regionais. O sistema na Noruega é diferente do Brasil, já que o regime lá é a monarquia parlamentarista. Vou tentar explicar de uma forma breve. Há muito menos partidos políticos do que aqui, e eles se dividem predominantemente em dois blocos: o verde/vermelho, de partidos de centro e de esquerda, com tendências sócio-democratas e mais favoráveis ao controle do estado sobre os serviços básicos de assitência à população (por exemplo, hospitais e escolas)  e o azul, predominantemente formado por partidos de direita, de tendências  conservadoras e liberais e que são mais favoráveis à privatização de serviços básicos de assistência (escolas e hospitais particulares, por exemplo). Alguns desses partidos «azuis» demonstram uma clara intenção de restringir a entrada de imigrantes no país e alguns jornais internacionais chegaram até a noticiar que o partido político com o qual o atirador norueguês responsável pelos ataques terroristas em 2011 simpatizava fará parte do governo de coalizão.

Desde quando cheguei à Noruega em 2006 o governo é formado pelo bloco verde/vermelho. Será interessante acompanhar as mudanças que virão com este novo governo.