Kategori: Trilha sonora da minha vida

Uma quarta-feira diferente

Uma quarta-feira diferente

Minhas quartas-feiras são geralmente muito corridas. Mas esta quarta-feira que passou (28/10) foi diferente. Eu fui convocada para fazer um curso e não precisei ir trabalhar na escola. Mais ou menos às 11hs30min da manhã eu olhei pela minha janela e me deparei com esta vista:

Uma cortina pesada de neblina por toda a cidade! Mais tarde ouvi no noticiário local que esta neblina pairou sobre Trondheim por quatro horas.
Saí de casa e continuei fotografando, já pensando em documentar este dia aqui no blog (estou tentando voltar a postar mais regularmente). Este é o topo da ladeira entre a minha casa e o centro de Trondheim. As folhas de outono estão por todos os cantos:

Caminhando mais cinco minutos cheguei ao bairro de Bakklandet. Tirei a foto quando eu estava prestes a atravessar a ponte da cidade velha (Gamle Bybro) onde se avista o portal da felicidade ao fundo (Lykkensportalen):

Na metade da travessia da ponte, uma vista do rio Nid no sentido da catedral de Nidaros: 

E uma foto mais próxima do portal da felicidade:

Quase chegando ao local do curso. Aqui a catedral de Nidaros do lado posterior:

E finalmente, a fachada da catedral envolvida em neblina:

O curso foi realizado no segundo andar do prédio onde funciona o café e a loja de lembranças da catedral:

O curso baseou-se em orientação para mentores de professores recém-formados. Eu, recém-formada há dois anos,  sou agora mentora de uma professora recém-formada na escola onde trabalho! Não me perguntaram se eu queria ser mentora, mas eu aceitei o desafio. No curso aprendi muito. Haverá outro curso em fevereiro:

Para me despedir, vou deixar uma canção da qual gosto muito e que adoro escutar enquanto caminho pelas ruas cobertas de neblina e de folhas aqui em Trondheim:



Este artista chama-se Odd Nordstoga. Já postei uma canção de Natal interpretada por ele e Sissel Kyrkjebø nesta postagem aqui. Ele tem um dialeto muito peculiar da região de Vinje. Este dialeto é diferente do dialeto daqui de Trondheim. Vou tentar voltar semana que vem. Agradeço muito os leitores que comentaram me incentivando a  continuar escrevendo. 

Na falta de palavras…

Na falta de palavras…

Daqui a poucos dias estarei aí…mal posso esperar. 

QUERELAS DO BRASIL (Maurício Tapajós / Aldir Blanc)

O Brazil não conhece o Brasil
O Brasil nunca foi ao Brazil
Tapir, jabuti, liana, alamandra, alialaúde
Piau, ururau, aqui, ataúde
Piá, carioca, porecramecrã
Jobim akarore Jobim-açu
Oh, oh, oh
Pererê, câmara, tororó, olererê
Piriri, ratatá, karatê, olará

O Brazil não merece o Brasil
O Brazil ta matando o Brasil
Jereba, saci, caandrades
Cunhãs, ariranha, aranha
Sertões, Guimarães, bachianas, águas
E Marionaíma, ariraribóia,
Na aura das mãos do Jobim-açu
Oh, oh, oh
Jererê, sarará, cururu, olerê
Blablablá, bafafá, sururu, olará

Do Brasil, SOS ao Brasil
Do Brasil, SOS ao Brasil
Do Brasil, SOS ao Brasil
Tinhorão, urutu, sucuri
O Jobim, sabiá, bem-te-vi
Cabuçu, Cordovil, Caxambi, olerê
Madureira, Olaria e Bangu, Olará
Cascadura, Água Santa, Acari, Olerê
Ipanema e Nova Iguaçu, Olará
Do Brasil, SOS ao Brasil
Do Brasil, SOS ao Brasil

Já está chegando a hora…

Já está chegando a hora…

Sábado de chuva, eu iria à reunião de família dos parentes do marido (na Noruega é comum todos os irmãos, tios, primos, etc. se reunirem de tempos em tempos), mas, estou muito estressada com o exame oral final de pedagogia que vou ter na quinta-feira. Daqui a somente cinco dias! Não consigo pensar em outra coisa além de livros, estudar, me preparar para esse exame. Resolvi ficar em casa estudando e o marido foi sozinho (eu fiz arroz brasileiro e assei uma foccacia para ele levar). Tirei até licença remunerada do trabalho para poder estudar o dia inteiro na terça e na quarta. Na quinta vou poder finalmente retirar esse peso das minhas costas.

Abre alas pra minha folia, já está chegando a hora…
Abre alas pra minha bandeira, já está chegando a hora…

Vim, sofri e venci

Vim, sofri e venci

Na descrição do meu blog, escrevi que estou batalhando dia a dia para conquistar meu lugar ao gelo. Pois, este dia chegou. Semana passada, fiz entrevista na escola onde trabalho para tentar um emprego efetivo (fast jobb em norueguês). Na Noruega, nenhum professor pode ter fast jobb sem ter curso superior em pedagogia (se bem que há muitos municípios pequenos por aqui empregando gente despreparada para lecionar, geralmente gente da família ou conhecidos – é, existe nepotismo aqui também). Professor sem formação pedagógica tem que se contentar com vikariat (trabalho temporário). Como vou terminar meu curso de pedagogia em junho, em agosto poderei trabalhar como efetiva. Me saí bem na entrevista, mas havia uma questão que poderia fazer com que eu não conseguisse o emprego. Eu quero passar mais de um mês no Brasil nas próximas férias, e por isso teria que recomeçar na escola mais tarde do que os outros professores. Na minha solicitação de emprego, escrevi que queria não somente o emprego, mas também uma licença mais prolongada depois das férias de verão aqui.
Me disseram que eu receberia uma resposta na semana seguinte. Na quarta-feira, o diretor da escola me chamou no escritório e me disse que EU TINHA CONSEGUIDO O EMPREGO E A LICENÇA!!! 🙂. Fiquei, claro, muito feliz! Finalmente, depois de quase sete anos de Noruega, trabalhando dois anos na faxina, fazendo cinco anos de faculdade, sempre com textos para ler, provas, trabalhos para entregar e três anos trabalhando em escolas, sempre sem saber se eu iria estar empregada no ano seguinte, agora poderei respirar aliviada e contar com emprego garantido para sempre! Vou também terminar a faculdade em junho. Daqui pra frente qualquer estudo que eu quiser fazer será um bônus para minha carreira, e não uma obrigação. Claro que eu não vou parar de estudar, mas vou me dar um presentão e descansar muito nessas férias que vêm por aí com meu maridão querido, que nunca, nunca mesmo deixou de me incentivar e dar apoio (mesmo quando a casa estava de cabeça para baixo por que eu tinha que estudar para as provas). Já temos tudo planejado, daqui a mais ou menos dois meses e meio, quando receber meu diploma da faculdade, vou poder gritar para quem quiser ouvir: «CONSEGUI MEU LUGAR AO GELOOOO!».
Para terminar, minha música de vitórias: